Blogando com Alma... Ainda.

Xeque-Mate, Blogosfera

Qualidade, blá blá blá; ética, blá blá blá; filosofia, filosofança, blá blá blá. Monetização, rendimento, business, blá blá blá. Relevância, blá blá blá…

Tudo importante, tudo faz parte. Mas e a criatividade, onde fica?

Estamos cada vez mais sérios, mais repetitivos, mais previsíveis, mais… chatos. Sem graça.

Quando foi a última vez que você leu um post ou um blog realmente criativo, diferente, original ou inovador? Um blog que além de culhões, tenha uma faísca de vida, de inovação?

Xadrez - Game Over

Seguimos fórmulas. Alguns com mais qualidade, outros com mais sucesso, outros menos. Mas fórmulas enfim. E não falo só de formato. De assunto, de idéias, de notícias, de pensamento, de reação.

Razão tinha o Humberto quando dizia:

Todos iguais, todos iguais…
Mas uns mais iguais que os outros.

A verdade é que enquanto esperneamos porque “blog é a nova mídia”, blog é só mais uma mídia. Que já está tão viciada quanto a velha mídia.

Ah, que não? Já temos interesses financeiros sendo colocados antes e acima de tudo. Já temos agendas, maracutaias, segredos, estafas e mentiras. Já estamos repetindo, repetindo, repetindo. Já nos rendemos à ditadura do povão, do esculacho, da m*rda de gosto duvidoso. Pão e circo, para manter os romanos entretidos e os bolsos cheios.

Me espanta que tanta gente sinta
(se é que sente) a mesma indiferença.

Já temos “grandes players” cuidando de seus interesses, em detrimento do todo e de tudo. Já temos espiões entre nós, que só aparecem para tirar proveito de quem produz esse bem precioso – o conteúdo. Que só falam para defender seu rabo, e não contribuem com nada.

O que falta aí, o que nos diferencia da TV, do rádio, das revistinhas sensacionalistas ou sentimentais, dos jornalões? Da “velha mídia”?

Há palavras que nunca são ditas
Há muitas vozes repetindo a mesma frase:
(Ninguém = ninguém)
Me espanta que tanta gente minta
(descaradamente) a mesma mentira…

Ah, sim. O que nos diferencia é que somos porrilhões, neste baile todo mundo tem microfone. É a democracia da m*rda DIY. Isso, é o que nos diferencia.

E que sabemos linkar.

Parafraseando outra música dos Engenheiros, pra terminar:

Nessa terra de gigantes
(Eu sei, já ouvimos tudo isso antes)
A blogosfera é uma banda
Numa propaganda de refrigerantes.

Mudou o formato, mas não mudou o modelo. Xeque-mate, blogosfera.

PS – Pra quem não conhece e quiser ouvir as músicas no YouTube:
Ninguém = Ninguém
Terra de Gigantes

Nospheratt, pensando na vida

Nospheratt

Quando eu cheguei (2006 - primeira era jurássica da Efigênia), isso aqui tudo ainda era mato.

Previous

Cópias na Internet: Nem Tudo é Plágio

Next

Todas as Generalizações São Idiotas, e Todas as Generalizações Têm Exceções

24 Comments

  1. Desculpa, Nosphie, mas você comete no seu texto o mesmo erro que muitos ao generalizar uma blogosfera. Temos diversidade, nosso pequeno círculo está na mesmice, concordo. Nosso pequeno círculo está cuidando de seus próprios interesses, concordo. Nosso pequeno círculo tem bons blogs afundando em seus publieditoriais, concordo.

    Mas no Brasil a blogosfera não se resume ao nosso pequeno círculo. Existem outros tantos pequenos, grandes, médios. Bons e bostas, mas são muitos e diferentes. E há vida fora da nossa (ai que palavra horrível, mas apropriada nesse momento) umbigosfera.

    Beijo

  2. Oi Nospheratt, entendo perfeitamente o que você diz em seu texto e ao mesmo tempo concordo com o comentário do Manoel. Acho que o problema está no nosso pequeno grande círculo onde tudo é irritantemente copiado, onde é tudo levemente diferente.

    Já não leio mais feeds, simplesmente os apago sistematicamente com a sensação de já ter lido a mesma coisa alguns dias antes.

    É irritante ver 1357 blogs noticiarem que o WP 2.6 foi lançado e mais 4751 falarem da mulher melancia da capa da playboy.

    Acho que esta na hora de visitarmos o conteúdo do nosso visinho, daquele que não fala nossa língua, quem sabe ai acharemos algo novo.

    Um abração e parabéns pelo texto.

  3. Nosphie, acho que você tem razão em muito que disse. Há ainda muitos blogs dedicados a passar formulinhas de sucesso, de virar problogger e o cacete a quatro. Por sorte ainda há os que se salvam da mesmisse, independente do tamanho e da intenção – como em qualquer mídia.

    Tem uma galera deslumbrada (e outra revoltada) com o potencial a atenção que os blogs estão recebendo. Mas tento pensar positivo e que daqui a algum tempo essa poeira toda vai baixar (ao menos um pouco).

    PS: Eu ficaria sem engenheiros 😛

  4. A gente anda para lá, volta para cá, e quando pensamos que já estamos muito longe, descobrimos que nao saímos do mesmo lugar.
    É só blog falando de blog e etc…

    Umbigosfera neles!

  5. Infelizmente essa é a pura verdade, não até que gostaria de não concordo com o artigo, mas como farei isso se o que foi dito é a verdade.

    Mas cada um devende o seu Pão! Quem acha tudo isso errado que caia fora, ou faça algo tão inovador se possível. Mas blogar é muito do escrever um simples artigo ou fazer cópias, vai além, muito estudo!

  6. Alexandre Carvalho

    A mesmice realmente anda tomando conta da umbigosfera, onde cada um defende o que é seu. Mas é curioso ver esse tipo de post aqui, onde o que mais se encontra são fórmulas de como fazer isso e aquilo ao montar um blog.

  7. O “slogan” do Infopod – o blog de tecnologia que não falou do iPhone – tem 3 motivos…

    1- Porque é engraçado
    2- Porque é para mostrar que eu só falo das coisas que eu vivenciei/testei
    3- (e o principal) se for falar de algum hype, que pelo menos acrescentar mais coisas…

    Concordo com o que você disse, mas também concordo com o que o Netto disse…

    No fundo, no fundo, transferi a minha leitura de blogs de “adquirindo informação” para “lazer” faz um bom tempo. Como disse o Leo Cabral: “É irritante ver 1357 blogs noticiarem que o WP 2.6 foi lançado e mais 4751 falarem da mulher melancia da capa da playboy.”.

    Eu acrescentaria que é irritante 1357 blogs noticiarem o lançamento do WP 2.6 sem ao menos testar, falar das diferenças e semelhanças, etc etc etc… Tudo sempre usando a mesmissima fonte…

  8. Sim, tá totalmente certa. Blogosfera tá 0% inovadora. Ninguém (to falando do do que eu conheço de blogosfera, e veja que vivo disso e nisso), ninguém tenta coisas realmente diferentes e criativas.

    A blogosfera é um reflexo que vivemos no dia-a-dia, mas pensando bem, é no Brasil que acontece isso. Num mundo de globalização que tomou viagra, deveriamos ter acesso a novidades criativas 50% do tempo! (e no outro 50% estar criando alguma coisa.)

    Tente invente faça uma coisa diferente tá faltando. Tem meu apoio incondicional em qualquer idéia que trate do assunto.

  9. O negócio é que as conversas saturaram, cansaram. Tanto que nem vejo empolgação para fazerem Blogcamps. O pessoal logo pensa (inclusive eu): “xi… lá vem aquele papo de monetização, problogger, monetização, relevância, monetização, posts pagos, monetização.”

    Falta criatividade, minha, sua, de todos os blogueiros, dentro ou fora da umbigosfera. Parece que estamos navegando sem rumo, sem saber ao certo para onde ir. O que percebo é que os blogs e blogueiros se desgastaram muito, brigaram muito, fizeram muito barulho por quase nada.

    A maior parte das mentes brilhantes está voltada hoje para publicidade nos blogs e como ganhar dinheiro com isso. Só que isso pode também estar matando a galinha dos ovos de ouro.

    O que é mais importante hoje nos blogs está sendo esquecido: A volta do prazer de escrever e interagir com o leitor.

  10. Seres humanos, amiga! Seres humanos… Não é uma “nova mídia” que vai mudar isso.

  11. Ei, este post está repetitivo demais para ser um baluarte contra a repetição. 🙂

    Tenho certeza de que tu podes fazer melhor.

  12. Olá! 🙂

    Acho que o grande problema está na generalização promovida por uns, a qual conseqüentemente exclui tudo o mais. E se tomarmos esta afirmação como premissa, somos levados a crer, após uma pequena análise, que o inverso também ocorre, ou seja, esse “tudo o mais”, formado pelos que estão “de fora” do primeiro grupo, também se “auto-exclui”, seja por medo, por vergonha ou por qualquer outro motivo válido (ou até mesmo não válido, mas quem somos nós para julgar, não? 🙂 ).

    Blogs existem aos montes. O que muitas vezes o pessoal se esquece (eu mesmo já caí neste erro muitas vezes) é que um blog é um veículo muito mais “leve” do que a mídia tradicional, e antes de qualquer coisa se trata do “meio” através do qual o autor expressa sua opinião. Opinião, é a chave.

    Muitas vezes o autor se esquece de expor sua opinião, e funciona mais como um robô ou muitos jornais tradicionais, “noticiando” e não fazendo qualquer comentário, não deixando sua “marca”, seus comentários, seu “parecer”. Eu me policio dia a dia para não agir desta forma, e procuro sempre fazer da minha opinião o principal.

    Agora, quanto à generalização mencionada acima, acredito que seja algo muito relativo. Notícias sobre determinado assunto vão existir aos montes, sempre. A própria “mídia tradicional” faz isto, os próprios telejornais fazem isso.

    Não vejo problema algum em comentar a respeito de um assunto que já tenha sido comentado por outro blog, desde que isto não se transforme no velho e triste “mais do mesmo”. Pode ser que determinado visitante goste da notícia em meu site, da forma como ela foi escrita, e não goste da mesma em outro blog, por exemplo.

    Essa heterogeneidade é que faz a blogosfera ser interessante. Isso é o que me faz assinar feeds de diversos blogs sobre o mesmo assunto, pois sei que contarei com opiniões diferentes, e muitas vezes, determinada ótica, de determinado autor, me é mais agradável. É impossível agradar a gregos e troianos, e isto é algo positivo, em minha opinião.

    Tudo isto é muito relativo, inclusive o sucesso ou não de um blog. Este pode ser um sucesso somente entre seus admiradores, e pode existir outra parcela de visitantes que dele desgostem completamente. Isto não quer dizer, entretanto, que seu autor deva crer em um ou outro destes dois grupos de usuários. O que vale é sua intenção, sua percepção de estar ou não fazendo um bom trabalho. Neste quesito, o rendimento é algo secundário e relativo, e não tem muito a ver com o sucesso.

    Acho que é mais ou menos por aí, pelo menos na minha opinião. Me desculpem se falei demais. 🙂

    Abraços!

  13. Noshpie, é a 1ª que discorodo de você. Entendo e vejo essa onda de mesmice. Já bati nessa tecla muitas vezes, mas também vejo sim a diversidade, vejo sim a criatividade, vejo sim a inovação todos os dias, com blogs como o Championship Vinyl, como o Pequeno Inventário.

    Talvez seu ciclo de leitura esteja passando por essa má fase, ou então você só tenha tido o azar de topar com uma séries de blogs repetitivos, mas se você experimentar expadir seus horizontes é bem capaz de você deletar esse post =P

    Ou não.

  14. Manoel,

    Generalizar é um ótimo caminho pra poder mostrar uma tendência. Todo mundo entende que existem as excessões, mas generalizando você fala dos aspectos gerais, e nisso eu tô com a Nosph.

    E digo mais, me incluo dentro desse grupo que deixou de inovar.

    abraço

  15. Manoel: Bem, eu generalizei, concordo. Mas eu não tava falando só de “publieditoriais”, não. Linhás, eu ia dar um apideite no post, motivado pelo teu comentário, mas ficou tão comprido que virou outro post:

    Todas as Generalizações São Idiotas, e Todas as Generalizações Têm Exceções

    Ao contrário do que se pode supor, eu “viajo” todos os dias para fora da “umnigosfera”. E lamento dizer que, também ao contrário do que se pode supor, o panorama “lá fora” não é muito melhor do que “aqui dentro”. Me atreveria a dizer que, na maioria dos casos,é pior.

    E isso é muito, muito deprimente.

    LeoCabral: Pois eu leio em dois outros idiomas (Espanhol e Inglês) e embora nenhuma das duas blogosferas seja o Eldorado, ambas estão mais maduras e variadas do que a nossa.

    Talvez seja questão de tempo, mas tenho lá minhas dúvidas.

    Mafra: Ahahahaha E eu entro aí em “dedicados a passar formulinhas de sucesso, de virar problogger e o cacete a quatro”? 😛

    Você tem razão, existem os deslumbrados e os revoltados. Mas o que eu vejo é que os medíocres são maioria, e não sou otimista – não vejo muito progresso, não.

    PS – Eu sou fã dos Engenheiros. Sue me. 😛

    Wbrown: Falar de blogs não seria ruim, se isso fosse só mais uma opção em um mar de opções. Mas não é. parece que ninguém pode ter um blog, sobre o que quer que seja, e não falar TAMBÉM sobre blogs.

    Alexandre: Curioso é ver como você não entende nada do que eu escrevo. O que você disse implica em que eu estimulo e promovo a repetição de fórmulas de blogs, e isso não é verdade.

    Eu dou as bases, ensino as boas práticas, as regras do jogo. Cabe a cada um saber jogar, seguir as regras que convenham aos seus objetivos. Eu sou totalmente contra a mediocridade, a repetição, a cópia – e quem me lê sabe disso perfeitamente.

    Por outro lado, caso você tivesse razão, estaria achando curioso que eu seja capaz de auto-crítica. E isso só mostraria que você não me conhece.

    Jonny: Concordo com você, e concordo com o Netto – em partes. Eu acho que não adianta fazer de conta que existe uma blogosfera melhor, diferente, se ela não é visível, se ninguém é capaz de apontar onde diachos ela está.

    Rafael: Não tô falando? Já virou lenda urbana esse negócio de “existem um porrilhão de blogs bacanas fora da umbigosfera”. Onde?!

    Podexá que se eu conseguir descobrir ou inventar alguma coisa que preste, eu te aviso! 😉

    Cynara: Perfeito. Concordo, concordo, concordo. Eu só substituiria “o prazer de escrever” pelo “prazer de criar” – de resto, concordo 1000% com o que você disse. Muito bem expressado.

    Tárcio: Não, não é. E eis aí o X da questão: quem tem que mudar são os seres humanos. E isso é difícil, deveras difícil.

    Bender: Será que posso, Bender? Será mesmo? Eu tenho cá minhas dúvidas. Eu tô tentando, mas…

    Marcos: Eu nem sequer estou falando de sucesso, nem cheguei até aí. A heterogeneidade, por si só, não tem valor algum. Ninguém pode (nem deve) agradar a todos. Mas se tudo se resume a ser um mar de vozes heterogêneas, que graça tem?

    Deveríamos procurar ser originais, criativos, inovadores. Deveríamos aspirar a mais, e não nos contentarmos em sermos uma versão web 2.0 das mídias tradicionais – que é para onde estamos indo.

    Fábio: A discordança é bem vinda na minha casa. 🙂

    Infelizmente, devo dizer que o problema não está nos meus feeds (que são escolhidos à dedo) nem em azar. Quisera eu que fosse esse o problema.

    Tonobohn: Bem, parece que nem sempre o fato de que existem exceções é evidente. 😛

    E me incluo nessa, também. 🙁

  16. Meu negócio é mais a literatura que “blog sobre blogs”. Este seu texto me lembrou algo que já observei: todo cronista um dia escreve uma crônica sobre a falta de assuntos.

    E rende uma crônica, rsss. E cliques. 😉

    Abço.

  17. Fernando: Verdade! 😀

    Mas o texto não é exatamente sobre falta de assunto, mas sobre falta de criatividade, de renovação, nos assuntos. Um “primo” da falta de assunto, digamos. 😛

  18. Talvez porque eu seja nova no negócio todo (há poucos meses que fui descobrir o que é Interney, monetização, publieditorial, etc, etc), talvez porque o fato de ter um lugar para escrever e perceber que tenho 5 fiéis leitores e 10 esporádicos me seja tão precioso, que eu ainda acredito na blogosfera…

    Mas aos poucos a gente vai percebendo algumas coisas estranhas. Em alguns blogs, por exemplo, você se sente numa festa para a qual não foi convidado. Mas há outros que, mesmo sendo dos mais acessados, como o Alexandre Inagaki, tratam qualquer leitor com respeito e atenção.

    Vejo blogueiros que ao falar do blogspot parece que estão tendo arrepios de asco; que têm políticas de comentários extensas e agressivas (sem nenhum toque de bom humor); que desdenham dos leitores e escrevem posts tão confusos que você se sente novamente na adolescência, sendo rejeitado pela turminha fodona do colégio!

    Mas em meio a isso tudo, ainda existe uma Lu Monte, por exemplo, que dá uma atenção fenomenal às pessoas que a procuram pedindo dicas e conselhos e que tem um conteúdo ótimo em seu blog. Se pessoas como ela são a exceção, ou não, eu não sei. Mas sei que o meu blog me dá muito prazer. E quando eu percebo que estou passando tempo demais comentando, tentando mexer no lay-out, fazendo contatos e lendo metablogs, eu páro e digo pra mim mesma: “Chega Ju!Esquece tudo isso por enquanto, deixa só o word aberto e escreve!”

    Divulgar e fazer contatos é importante. Mas nada se compara ao prazer de colocar um conteúdo novo e de contar uma experiência no blog.

  19. Concordo em gênero, número e grau com você, Ju. 🙂

    Acima de tudo (e isto é algo que muitos se esquecem) um blog deve ser encarado com prazer, pois em caso contrário, cairemos na mesma vala comum em que está a mídia tradicional e outros que tratam seus leitores de qualquer jeito.

    Mesmice, inovação, panelinhas, egos enormes, etc, são coisas que acontecem em qualquer meio, não só na blogosfera e suas sub-redes, as quais são formadas por aqueles blogs que se fecham em suas pequenas redes e enxergam tudo o mais como “nada”, ou como “inferiores”.

    Tudo na vida é relativo, e a blogosfera não difere disto. O que é bom para uns é ruim para outros, e vice-versa. O que não se pode é generalizar, achar que aquele delicioso vinho branco que degusto com extremo prazer em um jantar a dois vai ser desta mesma forma apreciado por um Abutre em sua Harley Davidson.

    Generalizações são perigosas, mesmo somente enquanto chegam até nós como “notícia”. O perigo aumenta se passamos a acreditar nelas.

    Um blog é uma experiência, e se hoje você teve uma idéia não tão interessante, nada te impede de “estourar” amanhã, e obter visitas e cliques aos montões.

    Um blog é meio que vivo, e acompanha as subidas e descidas de seu autor, seja no tocante ao seu bem estar ou ao seu humor.

    Grande abraço a todos!

  20. “Um blog é meio que vivo, e acompanha as subidas e descidas de seu autor, seja no tocante ao seu bem estar ou ao seu humor.”
    Maravilha!
    Eu sempre digo isso, aliás a frase já está patenteada 🙂
    1 blog = 1 pessoa (falo sobre blogs com 1 autor obviamente) E esse tipo blog é vivo mesmo! Essa é a maravilha dos blogs, essa diversidade tão interessante.
    E a Ju está certa quando diz: “Esquece tudo isso por enquanto, deixa só o word aberto e escreve!”
    Isso mesmo, escreva! 🙂

  21. olá

    Fico pasma com a cara de pau de vcs blogueiros adultos em criticar nós pobres mortais….iniciantes na arte de blogar, se vc vai em qq tipo de midia é cobra comendo cobra, aqui não seria diferente,claro que tds imitam e copiam a tv globo pq deu certo ,tem o toque de midias,e a ” blogaria ” chegou no lugar comum, agora que atire a primeira pedra quem não plageia,plageou ou plagiará (me perdoe o asassinato do portugues)
    Queridos só lamento to chegando agora e quero o ventinho da janela sim……

  22. “A verdade é que enquanto esperneamos porque “blog é a nova mídia”, blog é só mais uma mídia. Que já está tão viciada quanto a velha mídia.”
    Cara..vc é fodástica… É aquela velha história né… Se o cara é mal educado e oportunista no mundo real não seria diferente no virtual…

    Tô aprendendo mtas coisas aqui sobre blogar. Obrigada! =D

  23. Eu vejo isso, convivo com isso, mas entre tantas pessoas que repetem esses erros, existem aquelas lá no fundo, bem no fundo que ainda é A que-le blog, o blog bom, nem tudo esta perdido, mais que estamos caminhando para perdição… Estamos

  24. Pois é …A gente vai tentando por aqui rrs

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén|Social Icons by Freepik