Blogando com Alma... Ainda.

O Nome do Dragão

Hoje eu vou fazer uma coisa diferente.

Não vou complementar o post de ontem com dicas e estratégias que você pode usar para fazer seu blog crescer. Você pode encontrar trezentos porrilhões de toneladas de informação sobre isso na web. Inclusive aqui.

E você provavelmente já leu a metade desses trezentos porrilhões de toneladas de informação.

(Estou usando a palavra “você” do verbo “você e eu e toda a torcida do Flamengo”)

A Carreta Não Anda

E Mesmo Assim A Carreta Não Anda.

Você não aplica as estratégias que leu.

Você não acha tempo para fazer o que pretende fazer.

Você se distrai e quando vai ver são 11 horas da noite e aí pensa “amanhã eu faço isso”. E amanhã vira hoje e você se distrai de novo. Ou um problema aparece e tira sua vida do prumo.

E o blog continua lá, parado no mesmo patamar. Ou crescendo tão devagar que dá vontade de arrancar os cabelos e gritar AHHHHHHHHHHHH!!!

E o ano está terminando, e você está se prometendo que ano que vem, tudo vai ser diferente. ♫ Você tem que aprender a ser gente… ♫ Ups, não. Não é hora de cantar música do Lulu Santos. (Sim, a original é do Roberto, lo sebo.)

Ano que vem tudo vai ser diferente. Você jura que <insira data do ano que vem aqui> vai ser O ano.

Mas Nada Vai Mudar.

Porque a pessoa que lê e não faz as coisas, que se distrai, que tem problemas, não vai sumir dia 31 de Dezembro.

A mudança do calendário não vai transformar você automagicamente em outra pessoa. Não vai mudar seus hábitos, seus defeitos e virtudes.

Você é a única “ferramenta” que pode transformar você em outra pessoa.

Em uma pessoa que faz coisas, em vez de só pensar nelas. Em vez de só pretender fazer, e nunca achar tempo, disposição ou força de vontade para fazê-las.

Medo.

O medo é um dos motivos primordiais pelos quais não fazemos as coisas que queremos.

  • Medo de fracassar.
  • Medo de ter sucesso.
  • Medo de ter trabalho.
  • Medo das dificuldades.
  • Medo de perder alguma coisa para conseguir outra.
  • Medo de que as coisas mudem.
  • Medo do que os outros vão pensar.

Eu poderia fazer uma lista gigantesca dos medos que temos. Mas o fato é que o medo está sempre presente quando pensamos em fazer algo novo.

Porque ao fazer algo novo entramos em território desconhecido. Não sabemos com exatidão o que vamos encontrar, como a vida será, o que vai acontecer.

E isso nos deixa inseguros, vulneráveis.

E acabamos preferindo (muitas vezes inconscientemente) ficar com o que temos, com o que já conhecemos e sabemos perfeitamente como é.

O Nome do Dragão

Uma Porta

Há uma frase da qual gosto muito e cuja origem não conheço: “O medo é um dragão que guarda uma porta“.

Ele guarda uma porta ao novo, ao desconhecido, ao inexplorado. Cada um de nós tem seus próprios dragões e suas próprias portas. E cada um de nós é o único que pode vencer o dragão e abrir essa porta.

Vencer o Dragão

Durante muito tempo pensei que a única forma de vencer o dragão era matá-lo.

Hoje eu sei que podemos conversar com o dragão, convencê-lo a nos deixar passar. Ou enganá-lo, e passar pelo meio de suas pernas. Ou brincar com ele, ou fazê-lo dormir, ou qualquer outra solução criativa e aparentemente besta como essas.

Claro que isso são metáforas. Que vão significar diferentes coisas para cada um de nós.

Não importa. O que importa é olhar o dragão na cara, saber que ele está lá, descobrir como ele se chama. Fracasso? Sucesso? Mudança? Sacrifício? “O que os outros vão dizer”? “Comigo nunca dá certo”?

Assim que você descobrir como se chama seu dragão, poderá descobrir como lidar com ele. E abrir a porta, e finalmente ver o que há do outro lado.

Por Que Estou Falando Disto

Porque eu aprendi muitas coisas ao longo do tempo, e sei aplicá-las muito bem à quase todas as áreas da minha vida.

Os blogs são uma das áreas onde costumo falhar.

Estou aprendendo a usar as ferramentas que tenho para vencer os dragões bloguísticos e outras limitações que tenho como blogueira.

E isso não teria significado real se eu não compartilhasse meu aprendizado com você.

Algum vão achar que pirei, que perdi o rumo, que fiquei chata ou coisas assim.

Não me importa. Eu sei que o que estou dizendo tem valor, que pode mudar a vida de quem só precisa de uma luzinha para achar o caminho.

Afinal, blogar com alma é colocar a alma no blog. Eu seria uma hipócrita se não escrevesse sobre o que acho realmente importante, por medo ao que os outros vão pensar. Esse dragão eu já venci.

Qual é o Nome do Seu Dragão?

Se quiser apresentá-lo aos meus (eu ainda tenho muitos outros para vencer, bóvio), quem sabe eles vão tomar café juntos no Starfucks para trocar figurinhas.

E aí podemos aproveitar para espiar o que há do outro lado da porta. 😉

Images: Paul LowryBaltasar Vischi – CC

Nospheratt, pensando na vida

Nospheratt

Quando eu cheguei (2006 - primeira era jurássica da Efigênia), isso aqui tudo ainda era mato.

Previous

Você Está Mentindo Para Si Mesmo?

Next

Conversando Com Dragões

9 Comments

  1. Puxa Nosph, que tapa na cara com luva de espinhos ranetos!
    Mas mesmo assim queria me teletransportar para te dar um abraco… e dizer tanta coisa, que eu nao criei coragem de dizer por medo daquele dragao “o que sera que ela vai dizer”.
    Entao hoje, ja que vc abriu essa porta, tao sinceramente, eu preciso dizer: receba meu abraco aberto e sincero, pela perda do amigo querido essa semana (eu chorei e imagino que voce tambem e doeu e esta doendo ainda la no fundo da alma…), por ser tao do bem e dividir com quem voce nao conhece seu conhecimento, por ter bom humor ate nos textos de puxoes de orelha (adoro suas palavras inventadas, elas tem tanto sentido: porrilhoes, sebo, starfucks, entre tantas outras) e muito obrigada por ser humana, amiga e companheira, principalmente com quem vc nunca nem viu a fuca.
    Hoje tomei coragem, decorei o blog – como havia dito la no dia da tarefa do desafio – apareceram algumas coisas, que eu nao sabia como lidar, quebrei a cabeca, pensei em pedir ajuda, mas fui teimosa e conseguir resolver sozinha. Me deu um puta orgulho de mim e nao tenho vergonha de vir aqui te contar, pq sei que vc nao vai rir de mim, mesmo sendo uma coisa ridicula de facil (mas eu nao sabia, sorry).
    Minha casa ficou de lado, comi algo que nem lembro mais o que era e ainda assim consegui forcas para arrumarmos a sala e montarmos nossa arvore de Natal, com um menininho saltitante e feliz da vida, com todo o encanto dessa epoca.
    O que mais eu quero para mim, alem de poder te agradecer, te dar um abraco e conversar com meus dragoes? Um papo serio, comprometido e respeituoso, porque nao quero mata-los so’ quero saber doma-los.
    Menina querida obrigada por tudo… vou parar senao vou chorar #miinterna
    Abracos
    Gra

    • Gra, tô eu :’) aqui. Isso, isso que você disse, sentiu, compartilhou, isso é o que faz tudo valer a pena aqui do outro lado.

      Não é dinheiro, nem fama, nem porcaria nenhuma. É isso. É tudo isso, e eu entendo cada palavrinha, cada sorriso, cada franzida que você deu quando estava escrevendo. Eu entendo mesmo, e eu sinto a mesma coisa.

      Obrigada, viu. Obrigada mesmo, com abraço e beijo no rosto. :’)

    • Fiquei tão emocionada que não cheguei a dizer a metade das coisas que queria. Eu não vou rir, não, eu fico ORGULHOSA de você. E feliz de ser parte dessa caminhada. 🙂 E vamos conversar com os dragões, juntas, e dividir tanta coisa bonita (e triste) que tem no caminho. :**

  2. Esse é um daqueles raros momentos que leio um texto e sinto que foi criado pra mim. Gosto quando você escreve assim, porque percebo que já passou ou esteja passando por tudo isso também com a gente. Fica mais emocionante ainda de ler.

    Já me emocionei com a texto, e quando li o comentário da Graziela então…

    O blog reflete muito do que somos, como filhos herdam nossos genes. Cada hora mudo algum detalhe nele, já que sou indecisa com tudo, ou atraso os posts que estavam em rascunho, o que expressa a minha total falta de ordem.

    Ainda não melhorei nem evolui, só mantenho a fé que um dia vou acordar e vou colocar em prática tudo que preciso e quero, medo de trabalho eu nunca tive, alias, quanto mais melhor, assim não temos tempos pra pensar em bobagens.

    E as vezes eu penso que sou uma lutadora, não desisto, mas a unica coisa que eu faço é levantar da cama e dizer: não vou desanimar.
    Eu fico nisso, enquanto os meus dragões fazem o que querem comigo, e você não ideia do quanto eles podem ser cruéis.

    Cansei disso, cansei de planejar, anotar, salvar informações, quero resultados, pequenos que seja, mas quero. E muitas coisas, principalmente na blogosfera, é chegar lá e fazer, pronto, já estamos cansados de saber.

    Sinceramente eu amo meus dragões, embora sejam minhas fraquezas, eles me transformaram no que sou hoje, serviram de escudo por muito tempo, agora está na hora de eu recuperar o controle.

  3. Os meus dragões são muitos também, e de vários eu ainda preciso descobrir o nome. Obrigada por me lembrar.
    Aliás, obrigada por me fazer redescobrir o prazer de escrever para o meu blog, de cuidar dele. Eu tinha perdido isso no decorrer deste ano e me esforçar para cumprir as tarefas do Desafio 21 dias proporcionou um reencontro entre nós dois, eu e o blog. Agora estou cheia de planos e de energia para continuá-lo.
    Obrigada, minha amiga… você não sabe a diferença que faz na vida de algumas (ou várias? ou muitas??) pessoas…
    Beijo enorme!!!

  4. Nossa, me ajudou demais. Descobri que o nome do meu dragão é “invenção de moda”: eu invento de fazer tanta coisa que fico com medo de não dar conta de tudo, aí fico paralisada e acabo indo ver TV. Ilógico mas nem por isso menos verdadeiro. Eu gosto de tudo pra ontem, e como não dá pra fazer tudo nem HOJE, acabo deixando para o ano que vem. Obrigada!

  5. Nosph, é tudo verdade o que você disse, as vezes me pego dizendo “amanhã eu faço isso” e tudo começa se complicar. Também já me peguei dizendo “Ano que vem vou fazer isso, isso e aquilo” derrepente o ano que vem acaba e acabo não fazendo nada do que planejei! Eu acabei de levar um tapa na cara com luva de espinhos ranetos, como disse a Graziela!

    Obrigado, mas infelizmente ainda tem gente que não acordou, pois não gosta da verdade, acaba passando debaixo das pernas do seu dragão!

  6. Ana Laura

    uau! como vc tabm tenho meus dragões. cada um deles tem sua funçao… o primeiro é a vergonha…que não me permite fazer coisas bobas, como uma apresentaçao. o segundo é o medo… que não me deixa dormir depois de um filme de terror. o terceiro é o odio… que uma coisa errada que uma pessoa faz da isso. mas tenho o outro lado! tenho um dragao chamado esperança… que me deixa sempre com duvidas do que é real e o que nao é outro se chama força mental… que me deixa tomar minhas proprias decisões. tabem tem um que me ajuda a pensar… seu nome é paciencia que o costumo chamar de cronista. outro é o que sempre me ajuda quando mais prreciso.chamo-o de força positiva, que sempre vence. seu nome verdadeiro é spyro, o dragão purpura. ele é meu dragao especial, nao q eu nao goste dos outros, mas pra mim, ele possui todos esses “poderes”.

  7. Ei.. legal mesmo o material… estou começando e realmente os primeiros meses tendem a ser os mais difíceis… nome acho ja encontrei para o meu dragão, agora é alimenta-lo do toddy e velo crescer! =)

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén|Social Icons by Freepik