Blogando com Alma... Ainda.

Como Salvar Uma Péssima Idéia

No Mês da Criatividade, já vimos como criar uma lista de idéias, e como filtrá-las. Hoje vamos ver se é possível salvar ou aproveitar idéias péssimas – que inevitavelmente surgem durante o processo criativo.

No post anterior, utilizamos um determinado critério (entre muitos possíveis) para decidir se uma idéia é boa ou não. Ela deve ser:

  • Original
  • Útil
  • Interessante
  • Acrescentar algo ao seu tópico

Também vimos como trabalhar com as idéias, para que elas cumpram com esse critério. As mesmas sugestões que usamos para melhorar as idéias “mais ou menos”, podem ser utilizadas para melhorar idéias péssimas. A diferença será que, caso seja possível melhorar uma péssima idéia usando esse método, lhe dará bem mais trabalho do que melhorar uma idéia meia-boca.

O maior desafio serão as idéias que são tão ruins ou complicadas, que você não conseguirá melhorá-las assim. O que fazer nesses casos?

Como Salvar Uma Péssima Idéia

1 – Diagnosticar o Paciente

Analise a idéia, e descubra qual é o problema dela; o que é que faz dela uma péssima idéia? Procure por sintomas como:

  • Rebuscamento (isso acontece quando você pega uma idéia simples e enche de frescuras desnecessárias)
  • Complicada demais (difícil de entender, executar ou explicar)
  • Tediosa (na execução, ao escrever, ao ler…)
  • Não tem nada a ver com o seu blog (no estilo ou no assunto)
  • Falta de conhecimento (você não sabe o necessário para colocá-la em prática)
  • Falta de recursos (você não tem o necessário para colocá-la em prática)
  • Falta de objetivo (você não sabe ao certo para quê pode servir)
  • Etc, etc, etc.

Enfim, veja quais são as razões pelas quais sua idéia “fede”.

2 – Iniciar o Tratamento

Feito o diagnóstico, você pode tentar curar o paciente. Quanto mais sintomas, mais difícil será, pois cada sintoma geralmente precisa de uma cura diferente. Seguindo meus exemplos:

  • Rebuscada – simplifique. Elimine as partes supérfluas e desnecessárias.
  • Complicada – simplifique. Divida em partes menores.
  • Tediosa – pense em como sistematizar a execução, ou como fazer com que a leitura seja mais dinâmica e interessante (a utilização de gráficos, midia, listas, bullets e elementos desse tipo podem ajudar).
  • Nada a ver com o seu blog – como você pode aplicar essa idéia, dentro do escopo do blog? Talvez modificações de estilo ou substituição de elementos sejam a solução. Adapte.
  • Falta de conhecimento – se a idéia vale à pena, você pode aprender o que for necessário, pesquisar, informar-se. Ou fazer parceria com alguém que tenha o conhecimento necessário.
  • Falta de recursos – quais recursos são necessários? Como você pode conseguí-los?
  • Falta de objetivo – faça brainstorm, procure descobrir ou inventar possíveis utilidades ou objetivos para sua idéia.
  • Etc, etc, etc.

Conseguir curar completamente um paciente, isto é, trabalhar uma idéia até que ela passe de ser uma idéia péssima a ser uma idéia excelente, leva tempo e requer esforço e paciência. É possível que você tenha que guardar a idéia, gestá-la, deixá-la evoluir e se fortalecer, até que ela tome uma forma satisfatória.

Se tudo mais falhar, você pode pedir ajuda para o House.

3 – Dando a Extrema Unção

Se após todos os tratamentos citados, o paciente não melhorar, é hora de encarar as más notícias. Pergunte se ele tem família, se quer que você chame alguém, se tem serviço funerário. 😛

Falando sério, muitas vezes a sua idéia será tão ruim que não terá arrumação ou salvação. Nesse caso, você só tem duas opções: mandá-la para o cemitério (a lixeira) ou “congelar o cadáver”, guardando a idéia em algum arquivo separado das idéias aproveitáveis. Quem sabe no futuro você não descobre uma cura para esse paciente? 😛

Imagem: Constantin B.

Nospheratt, pensando na vida

Nospheratt

Quando eu cheguei (2006 - primeira era jurássica da Efigênia), isso aqui tudo ainda era mato.

Previous

Criatividade Produtiva – Filtre Suas Idéias

Next

Criatividade Se Aprende Na Cozinha

4 Comments

  1. Não é nada simples o processo descrito acima, mas nunca custa demais tentar resolver o problema. Afinal, quem disse que escrever (e blogar) ia ser um processo fácil? Estamos na luta.

  2. Acho difícil ressuscitar “os mortos”. Em todos esses anos, só umas duas ou três vezes algo que julguei “ruim” acabou conseguindo se tornar algo que prestasse. A “raiz” da ideia tem que valer muito a pena para compensar o trabalho de “transformação”.

    Mas as dicas valem.

  3. Já tentei colocar idéias velhas em prática.

    Pior é quando a idéia é boa, mas a execução é demorada e ela acaba se perdendo na onda.

    É horrível isso. =/

  4. Muito bom! Tratando com bom humor uma ideia de M…
    É, num comentário que fiz noutro post teu falei(falo sempre) “não há criação ruim, ruim é não criar”.
    As vezes até o fato de não ter como arrumar já é a solução, veja o Tiririca: Não dá pra fazer dele um cara culto, mas já está na comissão de cultura.
    Agora cito a minha irmã, Denise, que diz “de tão ruim, chega a ser bom.”

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén|Social Icons by Freepik