Blogando com Alma... Ainda.

Todas as Escolhas Vêm Com Um Preço

Há algum tempo que eu quero falar sobre um post do blog Gapingvoid: The Three C’s: Changers, Contributors and Coasters. Traduzo aqui uma parte do post:

Creio que em qualquer empresa, grande ou pequena, você pode dividir as pessoas em três categorias amplas:

1. The “Changers”. (Os “mudadores”, os criadores de mudanças.)

Estas são pessoas que usam seu trabalho como uma plataforma para “Mudar o Mundo”. Eles entram num mercado e tentam mudá-lo, com o objetivo de criar algo melhor, tanto para eles mesmos quanto para o mercado como um todo. Elas podem ser o CEO ou trabalhar na sala de correspondência. O que elas têm não é uma posição social, é uma condição psicológica.

2. The “Contributors”. (Os “contribuidores”, aqueles que contribuem.)

Estas são pessoas que querem fazer seu trabalho, fazê-lo bem feito, e ser bem pagas por isso. Elas não vêem necessariamente a necessidade de “mudança” em si, só desejam saber o que funciona, e fazê-lo. Eles querem descobrir quem está no time vencedor, e conseguir um lugar para si mesmos nele.

3. The “Coasters”. (Pelo que entendi, os “que vivem na costa”, às margens. Correção da Joaninha: “Margeadores”, que navegam por cabotagem, sem perder a costa de vista. Isso faz mais sentido, indeed! 🙂 )

Eles só desejam entregar o trabalho e ser pagos. Suas vidas e identidades estão fora de seu trabalho – famílias, amigos, hobbies, etc. – seu trabalho é um meio para atingir um fim; uma forma de pagar por suas “vidas reais” em algum outro lugar.

Nenhum dos três é necessariamente melhor ou pior que os outros – todos temos necessidades diferentes, objetivos diferentes, temperamentos diferentes. Todos nós tomamos diferentes decisões sobre o tipo de vida que queremos levar, que tipo de concessões estamos dispostos a fazer, que tipo de aventuras queremos ter. Todos os caminhos exigem o pagamento de seu próprio pedágio. Todas as escolhas vêm com um preço.

Todas as Escolhas Vêm Com Um PreçoSe você observar com atenção, verá que esses mesmos três tipos de pessoas podem ser aplicados aos blogueiros – basta trocar “empresa” por “blog” e “mercado” por “blogosfera”.

São classificações gerais, é claro, mas creio que todos os blogueiros se encaixam em ao menos uma dessas descrições, em maior ou menor grau.

Farei uma análise mais profunda sobre isso em outro post, mas antes disso eu gostaria de saber a sua opinião.

Você se vê em alguma das categorias? Acha que paga ou pagou algum preço por isso?

Que tipo de blogueiro você é?

Nospheratt, pensando na vida

Nospheratt

Quando eu cheguei (2006 - primeira era jurássica da Efigênia), isso aqui tudo ainda era mato.

Previous

Use o Evernote Para Administrar Seus Blogs

Next

Que Tipo de Blogueiro Você É? Margeadores

4 Comments

  1. Nosphie, a terceira categoria é dos “margeadores”, aqueles caras que navegam por cabotagem, sem perder a costa de vista, lembra? 😛
    Nem vou falar da minha categoria. Preço? Alto, altíssimo. Vale cada centavo, cada gota de suor e cada um dos revezes. 😀
    bj lindona

  2. Minha relação com o trabalho é EXATAMENTE a definição de “coaster”, uso essa definição há uns 5 anos, pelo menos, pra descrever meu ganha-pão. Obviamente, tudo que gira em torno de blogs NÃO é meu trabalho. 😛

  3. No meu emprego formal atual, me vejo na terceira posição. Não considero isso ruim, só que de certa forma, desvantajoso. As pessoas inicialmente estão sempre no terceito estágio, elas apenas passam para o primeiro assim que encontram algo que lhes seja gratificante.

  4. Acredito que “Coasters” é a posição da maioria dos trabalhadores, isso sustenta a idéia de que há empregos, não há pessoas qualificadas. Embora muitos façam seu trabalho muito bem feito enquanto almejam um trabalho mais realizador, outros se limitam a cumprir tarefas em troca de salário (o que é ruim no meu ponto de vista). Felizes aqueles coasters que estão almejando uma mudança e lutando por uma posição mais realizadora. Como disse o Henrique, não é ruim, mas desvantajoso, pois nesta posição o nosso potencial acaba sendo pouco aproveitado.
    Após um bom período como Coasters hoje me vejo mais como The “Changers”, apesar do retorno economico ser bem menor agora, mas a conquista de estar indo atrás de sonhos compensa!

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén|Social Icons by Freepik