Blogando com Alma... Ainda.

Código de Conduta para Blogueiros – Nós, os Blogger Rangers

A Blogosfera está fervendo com o Código de Conduta dos Blogueiros, criado por Tim O’Rilley, devido aos incidentes relacionados com Kathy Sierra e as ameaças de morte.

É uma idéia muito bonita, muito romântica e muito utópica. Na lista Blogosfera foi levantada a questão de que um código de conduta poderia ser útil aos novatos, ou poderia servir de guia quando o blogueiro não sabe o quê fazer em relação a determinados problemas. Talvez, talvez. Se esse fosse o caso, deveria ser um Guia, não um Código.

O Código do O’Rilley me cheira a podre. Não só por causa da estrelinha de xerife, o símbolo da membresía, mas porque já nasceu podre. Traduzo e explico (o texto em negrita é a tradução, ou seja, o Código em si):

1 – Nós assumimos responsabilidade por nossas próprias palavras e pelos comentários que permitimos em nosso blog.

Concordo; assumir responsabilidade por suas próprias ações é o mínimo que deve ser exigido de qualquer ser humano. Pessoalmente, eu tenho essa regra assumida faz tempo.

Quanto aos comentários, desde o caso do Imprensa Marrom, qualquer blogueiro deveria saber que pode ser não só responsabilizado, como penalizado pelos comentários que outras pessoas deixam em seu blog.

Temos um compromisso com o standard “Civility Enforced”: não postaremos conteúdo inaceitável, e deletaremos os comentários que o contenham.

“Civility Enforced” pode ser traduzido como “civilidade imposta” ou forçada. Não creio que blogs sejam lugar para nada imposto ou forçado; de fato, o próprio conceito de civilidade vai contra impor pela força o que quer que seja. O que esse standard propõe é que as pessoas se coloquem voluntáriamente sob uma imposição, determinada pela opinião de um grupo. Sou radicalmente contra isso, em qualquer âmbito.

Aí surge a questão: o que é “conteúdo inaceitável”?

Definimos conteúdo inaceitável como qualquer coisa incluída ou linkada (no post) que:

– esteja sendo usada para abusar, agredir, acossar ou ameaçar a outros;

– seja difamatório, sabidamente falso, ad-hominem, ou represente de forma deturpada outra pessoa;

– infringe algum copyright ou marca registrada;

– viola uma obrigação de confidencialidade;

Nós definimos e determinamos o que é “conteúdo inaceitável” caso por caso; e nossas definições não se limitam à esta lista.

Terreno escorregadio. À princípio, eu concordo com que os itens listados constituem conteúdo inaceitável. No entanto, a percepção de como se aplicam esses critérios pode diferir de pessoa à pessoa, e de situação à situação.

Por exemplo: últimamente, parece ter virado moda ameaçar outros blogueiros com o Art.140 (ou algo que o valha) do Código Penal; injúria, blá blá blá. Na minha opinião, esse tal artigo não se aplicava em nenhum dos casos em que foi citado (e não estou falando só da ameaça feita contra mim). Quem deveria decidir se é aplicável ou não? Um juiz, oras! Não uma patrulha de Blogger Rangers.

Se as definições não se limitam à essa lista, como vou saber a quê me ater?

Se deletamos um comentário ou link, nós diremos que o fizemos e explicaremos porquê.

Imaginemos que um spammer deixa um comentário no meu blog: Fora Lula, Volte Lula, Viagra, Aumente seu Pênis, qualquer coisa dessas. Ou uma dessas pérolas “SEU FDP (inserte palavrões e insultos aqui) VÁ SE F…” Eu vou apagar o comentário, lógico. E depois vou explicar pros meus leitores: Gente, eu apaguei um comentário… O cara mandou que eu fosse tomar onde o sol não bate, a não ser na praia de nudismo…

(Nos reservamos o direito de mudar estes standards em qualquer momento sem aviso).

Ah, então tá. Vocês fazem uma lista de “crimes tipificados”, nos atocham “civilidade forçada”, e ainda por cima se reservam o direito de mudar tudo, SEM AVISO???? (Uia, será que criticar o Código não foi incluído como conteúdo inaceitável enquanto eu escrevia isto? Se eu desaparecer, você já sabe quem foi que me matou: os Blogger Rangers!)

2 – Não diremos nada online, que não diríamos pessoalmente, cara à cara.

Ponto muuuito relativo. Estou de acordo em que o escudo da tela do monitor não é desculpa para polemizar, ofender, xingar ou criticar coisas ou pessoas, se você não teria coragem de assumir essas palavras ou atitudes, caso se visse frente à frente com o cristão.

Mas e que dizer da professorinha solitária, que escreve contos eróticos ou pornográficos, e publica sob pseudônimo? E o adolescente problemático que despeja suas angústias de fim de mundo no blog? E o analista que desabafa sobre como seu chefe é um bossal, estúpido, preguiçoso, corrupto? E a secretária que descreve as aventuras do estagiário com a gerente da empresa? E, e, e, e…

3 – Nos conectamos privadamente, antes de responder públicamente.

Quando encontramos conflitos e representações distorcidas na blogosfera, fazemos todo o esforço possível para falar direta e privadamente com a(s) pessoa(s) envolvida(s) – ou encontramos um intermediário que possa fazê-lo – antes de publicar qualquer post ou comentário sobre o assunto.

Já estou vendo a procissão interminável de bons samaritanos enchendo os pacovás de todo mundo. Sério, eu não tenho tempo para ficar resolvendo problemas dos outros.

Infelizmente, existem milhões de desocupados que têm tempo, não só pra resolver os problemas dos outros (aqueles que não lhes competem de forma alguma), mas para enxergar problemas onde não existem, ou que existem pura e exclusivamente sob sua ótica pessoal.

Sem mencionar que o que esse código mais faz é cercear minha liberdade, ditando o que é passível de ser publicado, e o quê não; segundo critérios que podem mudar à qualquer momento. Vida difícil vai ser a dos que se coloquem sob a guarda dos Blogger Rangers, hein?

Pergunta inspirada no Morroida: depois que o cidadão em questão (esse que está representando alguém deturpadamente) me mandar, direta e privadamente, me phoder, aí sim posso postar sobre o assunto?

4 – Quando acreditamos que alguém está atacando injustamente à outra pessoa, nós tomamos providências – entramos em ação.

Quando alguém está publicando comentários ou posts ofensivos, nós lhe dizemos que está fazendo isso (se possível, privadamente – veja acima) e lhe pedimos que corrija seu erro públicamente.

Se os comentários publicados podem ser considerados como ameaça, e o responsável por eles não os retira da web e pede desculpas, nós cooperaremos com a força da lei para proteger o alvo da ameaça.

Mais do mesmo. O número 3 e o número 4 são exatamente a mesma coisa; a única diferença é que este último está inteiramente focado no incidente da Kathy Sierra. E deixa claro que se seus comentários forem “considerados ameaça” – segundo o critério de quem, eu pergunto – a força da lei será aplicada contra você. E não esqueça de pedir desculpas, apenas retirar os comentários não chega! Ok, nice.

5 – Não aceitamos comentários anônimos.

Requerimos que um endereço de email válido seja provisto pelos visitantes, para que possam comentar, apesar de que permitimos aos comentaristas que se identifiquem com um pseudônimo/nick, em lugar de seu nome verdadeiro.

Email falso, email 10 minutos, email de outra pessoa, conta secundária de email destinada somente para safardanagem… Existem mil maneiras de preparar Neston.

E voltamos à questão de quando o anonimato é válido, e quando não. Os contos eróticos, lembra?

6 – Nós ignoramos os Trolls.

Preferimos não reponder comentários agressivos ou desagradáveis sobre nós ou nosso blog, sempre e quando eles não sejam abusivos ou difamatórios. Nós acreditamos que alimentar os trolls simplesmente os encoraja – “Nuca lute com um porco. Os dois se sujam, mas o porco gosta disso”. Ignorar ataques públicos geralmente é a melhor maneira de contê-los.

Claro, isso não será preciso; os outros vão estar entrando em contato direta e privadamente com os meus trolls, pedindo que corrijam seus erros públicamente, lembram?

Falando sério, esse método não se aplica em todos os casos. E se eu quero me sujar com o porco? E se o troll não parar? Isso é como deixar o cachorro latir. Ele vai se calar algum dia, mas quando?

Além de que “simplesmente ignorar os ataques públicos” contradiz vários outros pontos do código, não há nenhuma explicação ou conselho sobre como agir. Deleto os comentários (e aviso que o fiz, e explico que o cara era um troll…)? Deixo lá e faço de conta que não vi? Com ignorar eles querem dizer ignorar, mesmo, assim, ignorando completamente sua existência?

Voltando à metáfora canina, é bem possível que em algum momento você se veja tentando ignorar um cachorro que está com os dentes ferrados em sua perna.

Nós também decidimos que precisávamos de um selo “qualquer coisa vale” para os sites que desejam avisar os possíveis comentaristas de que eles estão entrando em uma zona onde “vale tudo”. O texto para acompanhar o selo poderia ser algo assim:

Este é um fórum aberto e sem censura. Não nos responsabilizamos pelos comentários de ninguém, e quando as discussões esquentam, linguagem de baixo calão, insultos e outros tipos de comentários desagradáveis podem ser encontrados. Participe neste site por sua própria conta e risco.

Nooossa, decidiram que precisavam um estigma, digo, selo para os que não querem seguir o Código! Claro, óbevio, elementar, meu caro Watson; se você não vai usar a estrelinha dos Blogger Rangers, você é uma bomba prestes a estourar! Os comentários no seu blog podem explodir a qualquer momento!

Me diga, Painho: os sites que permitem todo esse tipo de comentários e discussões coloridas, vão se preocupar com colocar um selinho para advertir os “inocentes passantes”? Se eu não adiro ao Código, automáticamente me corresponde a banana de dinamite?

A utopia idioticamente romântica não termina aí. Isto é apenas um rascunho; o projeto está sendo discutido, modificado e embostecido ainda mais através de um “wiki-based review process“. Não quero imaginar o que será o resultado.

E aí, ficou a fim de ser governado, fiscalizado e controlado pelos Blogger Rangers?

Agora, o que me atormenta mesmo nessa história toda é: quem são “nós”? Eu os batizei de Blogger Rangers, mas em lugar nenhum encontrei uma palavra sequer sobre qual é sua verdadeira identidade. Be afraid, be very afraid.

Nospheratt, pensando na vida

Nospheratt

Quando eu cheguei (2006 - primeira era jurássica da Efigênia), isso aqui tudo ainda era mato.

Previous

Definindo sua Marca

Next

Como Anunciar Grátis Seu Blog no Adwords

12 Comments

  1. santa mistura

    é tão simples… st exupery… ou fradim… tu te tornas eternamenteresponsável por aquilo que cativas…imagem em https://www.spacca.com.br/mestres/imagens/henfil2.jpg

  2. Nospheratt

    JUAJUAJUAJUA!!!!!Excelente tirada!

  3. kritiker

    Muito bom o texto!

  4. Norberto Kawakami

    Pô isto tá é com cara de SS. Só falta colocar estrela e triângulo em tudo quanto é blog…

  5. Embostecido e Blogger Rangers valeram o dia, hehe…Mas quem seriam os Blogger Rangers brasileiros? A blogosfera (lista) está lotada de representantes do Zen-bloguismo, que adoram essas coisas “elevadas”. Não agüento mais ver aqueles tópicos: olha que tema interessante para uma reflexão. Bleargh!

  6. Philipe

    Essa Blogosfera é uma coisa meio bizarra mesmo. Agora este código, que palhaçada. Até parece. Esse bom samaritanismo patrulhador é algo que me dá vontade de comprar mesmo um lança-chamas!

  7. ILO NAVARRO

    Sinceramente eu acho que pode ser mais complicado que tudo isso, escrevi um post também sobre o assunto, mas abordando outra parte, a parte em que isso começa a realmente ser usado e obriga as pessoas a seguirem o tal código (se tratando de O’Reilly não duvido de nada).Se quiser da uma olhada: https://ilo.ciadolinux.com.br/2007/04/11/tim-o%c2%b4reilly-e-um-engodo/

  8. Eu sou Anônimo

    Este comentário não deveria ser aprovado pois sou anônimo!HAHAHA

  9. Nospheratt

    Tdos os comentários acima infringem o Código de Conduta para Blogueiros. Os Blogger Rangers tomarão as medidas cabíveis. Podem avisar suas mamães que vocês desaparecerão por um período indeterminado de tempo.

  10. Mário Marreiro

    Acho que a Constituição deve ser parâmetro Legal para dizer o que é ou não ofensa seja pelo Blogger , pessoalmente e verbalmente ou por qualquer meio de comunicação escrita falada ou televisiva
    Desde que não se usem termos de agressão pessoal e até como já me aconteceu desejando nos a morte
    simplesmente porque um sujeito não gostou de um tipo de festa ou música ou seja lá o que for.
    é muito fácil comentar e comprometer pessoas e até empresas. Espero que estes seres de outro planeta, acredito, amanhã tenham comentários identicos e igualmente injustos a seu respeito ou sua empresa quando então sentirão na pele o problema e que talvez até infelizmente tenha um final desagradávbel, dependendo de quem com quem se mexe. Sabe- se lá?
    Graças a Deus sou equilibrado e temente a Deus e Lei e respeito a opinião dos outros e quando discordo procuro usar um tom de sugestão e não imperativo arrogante e inconsequente.
    PENSE PRIMEIRO
    REFLITA SOBRE SEU COMENTÁRIO PONHA SE NO LUGAR DO OUTRO
    AMANHÃ PODERÁ SER SOBRE VOCE
    ACORDEM BLOGGEIROS

  11. Nospheratt

    Infelizmente, acredito que pouca gente siga seu conselho. Cada vez há mais “seres de outro planeta”…

  12. De tudo o que referiu, considero que os trolls são sem dúvida o pior da blogosfera. Pessoas que, com certeza, não têm “vida própria” e, por isso, desperdiçam o seu tempo e o dos outros.
    Acho que a citação que a minha mãe usa se aplica: “Nunca discutas com um idiota. Ele arrasta-te até ao nível dele… e depois ganha-te em experiência.”

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén|Social Icons by Freepik