Blogando com Alma... Ainda.

A Geladeirinha Verde, a Ética Transparente e o Balaio

Eu acompanhei de perto o “Geladerinha da Coca – Cola Gate”. Se você não sabe do que estou falando, leia aqui: E o BlueBlus pelo jeito se vende bem barato…

Então. Eu acompanhei o causo, li váááááários posts sobre o escândalo assunto. Críticas, manifestações de apoio, gente contra, a favor e muito pelo contrário.

E ao que parece, as críticas e o escândalo estão baseados numa crença muito simples (e simplória): é impossível que uma pessoa seja sincera e honesta, é impossível que ela não se deixe influenciar (favoravelmente) caso tenha recebido alguma coisa – no caso, uma geladeirinha com uma garrafa de isotônico dentro.

Preço Barato

Engraçado é que eu só tenha notado essa crença agora, pois olhando para trás, essa mesma crença é a base de muitas (ou quase todas) as polêmicas sobre post pago, resenhas e campanhas publicitárias divulgadas em blogs.

Conclusões Idiotas Baseadas em Preconceito

Etiqueta de Preço O pensamento é o seguinte:

Se você recebeu alguma coisa, automaticamente sua honestidade é posta em dúvida.

Se você recebeu alguma coisa, é claro que você está influenciado a escrever favoravelmente sobre essa coisa.

Se você recebeu alguma coisa, e escreveu que gostou, que o produto é bacana, fez uma resenha positiva, óbviamente você escreveu isso porque recebeu o produto, não porque você realmente achou bacana.

Se você recebeu alguma coisa e ainda não escreveu, não faz diferença, pois com certeza você vai publicar uma resenha favorável, lambe-botas, só porque recebeu o produto.

E por aí vai.

Acusações e Falta de Respeito

Etiqueta de Preço - Reais Na minha terra, assumir essas coisas sobre uma pessoa é uma tremenda falta de respeito. Assumir que a honestidade, a ética e o senso crítico de uma pessoa não são capazes de resistir um presente, um pagamento, é taxá-la de vendida, imoral, sem vergonha.

E esse parece ser o pensamento reinante. Por isso os posts pagos são desprezados, e os blogueiros que receberam a geladeirinha foram chamados de “blogs de aluguel”.

Na minha opinião, quem pensa assim, só pode estar baseado no fato que sua própria ética não resistiria incólume ante um presente, e muito menos ante pagamento. Que outra razão pode haver para a crítica que é feita sem nenhum fundamento concreto?

Ética Não É Coisa Que Se Possa Vender.

A realidade é bem diferente. Existem blogueiros que se vendem por qualquer mariola? Com certeza. No entanto, também existem muitos blogueiros que possuem uma ética inabalável, que permeia todas as suas decisões – e todos os seus textos e comentários.

Então, porque as pessoas escolhem assumir que TODOS os blogueiros que fazem posts pagos e participam de campanhas de marketing se vendem por mariolas? De onde saiu a crença de que é impossível ser honesto e ético, se existe interesse no meio?

Balaio, Meu Bem, Balaio

Balaio, Meu Bem, Balaio Na verdade, é irrelevante de onde saiu essa crença. Porque a verdade é muito simples: é perfeitamente possível receber presentes ou pagamento, e ainda assim ser honesto.

Um blogueiro que tem ética, não vai abandoná-la por preço nenhum. Um blogueiro que se vende, não tem ética, e vai fazer qualquer coisa por qualquer preço.

Colocar todo mundo no mesmo balaio, seja o da ética, seja o da falta de ética, é uma reverenda idiotice.


Technorati : ,

Nospheratt, pensando na vida

Nospheratt

Quando eu cheguei (2006 - primeira era jurássica da Efigênia), isso aqui tudo ainda era mato.

Previous

Mantenha-se Saudável Enquanto Trabalha no PC

Next

Se Você Não Fizer Alguma Coisa, A Internet no Brasil Se Tornará Uma Versão Cibernética da Alemanha de Hitler

13 Comments

  1. Estava pensando nesse assunto esses dias. Pra mim, a questão é: por que uma empresa vai pagar pra ter seu produto esculhambado pelo blogueiro? Pode acontecer uma vez, mas imagino q esse blogueiro dificilmente vai ter uma segunda oportunidade. Nunca recebi proposta de post pago, nem sei como isso funciona, mas já vi em alguns blogs posts que estavam na cara que eram pagos, falando maravilhas de produtos/pessoas/empresas que nada tinham a ver com o assunto geral do blog. Me sinto enganada, buscando uma coisa que sei que vou encontrar ali, e levando outra goela abaixo. Pra mim, é uma ótima maneira de perder leitores…

    Não falo que dessa água não beberei, porque um dinheirinho é sempre bem vindo, mas não me agrada a idéia de ver posts vendidos em blogs onde a premissa é “expressar a opinião do autor sobre os assuntos x, y e z” e não “fazer uma análise de produtos e empresas”. E pra mim o fato de ser pago significa que a empresa que pagou espera elogios e propaganda positiva. Eu costumo falar bem de coisas que gosto sem ser paga por isso, então talvez simplesmente não aceitasse elogiar algo que não gosto ou que nada tem a ver com o propósito do meu blog.

    Concordo que não se deve acusar sem saber se o blogueiro realmente faltou com sua ética, mas eu aposto que a maioria se vende sem pensar duas vezes, e aí vem a generalização. É como falar que todo político é corrupto. Tem quem não seja, mas a maioria é, então…

    E fugindo do assunto, gostei do blog =)

  2. Ótimo texto, excelentes reflexões. E o seu texto, apesar de estar focado em blogs, blogueiros e na blogosfera, serve pra qualquer área da vida, basta trocar a palavra “blogueiro” pela palavra “pessoa”.

    Parabéns! Concordo contigo “em gênero e número igual”! kkkk 😀

  3. Renata, você não entendeu NADA do texto, não é?

    Se a sua OPINIÃO é passível de compra, então melhor não fazer post pago mesmo, você é um dos blogueiros sem ética que a Nospheratt falou.

    Quando um cliente paga por uma avaliação de um produto o blogueiro decente está vendendo seu tempo e sua expertise, não sua opinião. Se você acha que pagou == resenha positiva, só lamento.

  4. Orlando G. da Silva

    Olá. Obrigado pela resposta no dia 7.

    E o assunto agora é correlato, não?

    A questão é complicada para a “imagem dos blogs” de um modo geral porque acho que o buzz é visualizado por gente que certamente não conhece nada da mecânica de blogs. Aí complica. Particularmente para quem está querendo afirmar o blog enquanto uma idéia genérica de “mídia”.

    Mas, acho que isto tudo estará sendo resolvido ao longo da transição para o profissionalismo nas relações entre organizações e os Blogs. Não na profissionalização de Blogs, que eu vejo como coisas bem diferentes.

    Parabéns mais uma vez pelos iluminado farol.

  5. Daí o disclaimer “o post é patrocinado, mas a opinião é livre” e variações. Mas neguinho não entende, ou não quer entender, ou, realmente, acha impossível manter a ética diante de um presente ou uns trocados.

    E quando eu falo que “código de ética para blogueiros” é uma asneira sem tamanho, que basta que as pessoas ajam diante do computador como agem na rua, tem gente que não entende. Só posso achar que são trolls esquizofrênicos, que se comportam no mundo “real” diferentemente do que fazem no mundo “virtual”.

  6. Malcomtux

    Olá Nospheratt!

    O Cardoso me fez pensar uma coisa agora: É a mesma coisa que esperar que um perito faça seu trabalho de graça, quando se contrata um perito pagasse pelo trabalho dele, agora se o laudo vai favorável ou não são outros quintos não é? Acho que é por ai não? Não sei se me expressei bem!

    “Em minha opinião, quem pensa assim, só pode estar baseado no fato que sua própria ética não resistiria incólume ante um presente, e muito menos ante pagamento”

    Concordo. Se tem uma coisa que eu tenho observado é que as pessoas têm a tendência de basear as ações e reações de outras pessoas no que seria comum a elas próprias ou ao ambiente em que vivem, trabalham, etc. Isso associado à cultura do “jeitinho brasileiro” faz com as pessoas achem impossível que alguém não fure file se tiver oportunidade, não xingue o mundo se tropeçar numa pedra, não de um de se dar bem com dinheiro ou que não faça uma analise favorável num post porque recebeu um agrado.

    Não tenho nada contra o post pago mas, como leitor, fico triste quando alguns blogueiros irresponsáveis tentam enganar descaradamente o leitor fingindo espontaneidade para gerar viral. Em contrapartida, fico feliz quando vejo coisas como a frase no fim de um review que vi no blog do Knuttz que era algo como “Faça como esse cliente e entre em contato se quiser um review do seu produto”. Isso se chama “transparência”

  7. Posso ser bem sincera?? pouco me importo se blogueiro foi comprado ou não. Eu entro num blog com dois objetivos:
    1) Eu estou a procura de alguma coisa, então via palavras-chaves no google, via redes sociais, ou por meio de algum blogrol eu cheguei até aquele blog, eu procuro o que me interessa e vou nessa, se eu gostar do blog eu volto, foi o que ocorreu com você por ex.

    2) Vou porque gosto do estilo do autor, porque gosto do dono do blog, porque o acho engraçado, inteligente, interessante, porque qualquer coisa que o blogueiro escrever vai ser bom, pode ser sobre filmes, musica, big brother, papo de buteco, mulher pelada, etc. Não importa, gosto e vou lá. Tem gente que sabe fazer merchã com “catiguria”.
    Vou dá um exemplo, dia desses o Inakagui (meu bloguista preferido)fez uma resenha sobre o filme Indiana Jones, ele também ja escreveu sobre roberto carlos, e ja perdi as contas de quantas resenhas ele ja fez,(será que ele foi “comprado”? 🙂 ) então, se por acaso, ele receber uns trocados pra ver um filme, falar sobre o mesmo, vai comprometê-lo??
    As pessoas que o visitam nao estão nem aí se ele é honesto ou não. o máximo a gente pre-julga, atraves do comportamento da pessoa no blog, nas redes sociais, no contato, na forma como descreve as coisas.

    Essa discussão sobre etica, vai pro campo filosófico, cada qual tem a sua versão sobre ética e morrerá por aquilo.
    Então, ficou muito mais badalado a “critica” do que a bebida em si. E aí todos ja sabem do suco turbinado e da geladeira, sem ter que tirar do bolso muitos trocados com merchandising; (é assim que escreve?); ATé eu que moro em Tocantins e passo fins de semana numa cidade de 5 mil habitantes.

    Daqui uns dias lançam um carro novo, aí jogam uma matéria qualquer por ai falando que darão 10 carros daqueles para 10 blogueiros que escreverem sobre o conteudo.
    Aposto que será mais divulgado na internet do que se a juliana paes ficasse pelada em cima dele na av. paulista.

    ps: hoje bati o record de comentário mais longo da blogsfera srsrs 🙂

  8. O pessoal bate na tecla da ética quando se fala em post pago, publieditorial, etc. Mas isso é um código pessoal e que cada blogueiro irá agir de acordo com o que acredita.
    Eu tento ver pelo ponto de vista dos leitores que chegam aos meus blogs. A minha ética certamente é distinta daqueles os lêem, então, como eles irão encarar um post pago no meu blog?
    Se o público em geral, como você mesma diz, acredita que fazer um post pago é significado de que o blogueiro é um “vendido”, então, certamente temos que pensar e repensar antes de fazê-lo.
    O mesmo público que você conquistou e que levou uma agência de publicidade a investir no seu espaço, pode ao mesmo tempo, te levar ao descrédito.
    O meu raciocínio vai por esse caminho…

  9. Renata amore, você está terrivelmente equivocada. Como já dissa a Nospheratt milhares de vezes, o leitor do seu blog vai até ele porque confia em você. Se ele entra no seu blog e vê um “post patrocinado” ele não fugir do seu blog porque ele conhece a linha dele e confia no conteúdo que seu autor escreve.

    Um exemplo bem claro: o Sedentário & Hiperativo tem uma categoria chamada…

    publicidade!

    Ele perde leitores por causa disso?

    Não né…

  10. Pedro

    Um blogueiro que quer que as pessoas leiam tranqüilamente seu blog, sem se perguntar que tipo de interesse ele teve em elogiar alguma coisa além do simples intuito de compartilhar um produto, conceito, serviço ou idéia bacana, não aceita porra nenhuma em troca disso. opina de graça e porque acha justo.

    Os que recebem alguma coisa pra isso estão alugando opinião mesmo – não interessa qual seja o teor da opinião – e, portanto, precisam aprender a viver com as pessoas lendo seus textos e considerando se aquilo ali é realmente um apreço legítimo ou se ele não tá, sei lá, “dando uma forcinha” pra um “parceirão” que, em troca, arranjou pra ele umas entradas de cinema, um celularzinho, uma geladeirazinha, enfim. Um “presentinho irrelevante” qualquer.

    Blog não é jornal. Ninguém cobra ética nenhuma em blog, blog não é um serviço crucial de comunicação e o blogueiro é livre pra fazer o que ele quiser. Mas se construir uma fama dessas, oras, tenha ao menos a decência de deitar-se na cama sem ficar dando chilique, dizendo que as coisas não são bem assim. Porque as coisas são BEM assim.

    Quem tem ética DE VERDADE devolve o que recebeu, agradecendo. “Não, obrigado”. =)

  11. Renata: Ora, nenhuma empresa paga para ser esculhambada. Sim, pagam esperando elogios e propaganda positiva. Daí a que o blogueiro realmente venda sua opinião, há uma longa distância.
    Tem gente que vende sua opinião, e gente que não vende. Quem não se vende, ão vai elogiar falsamente alguma coisa. Você está colocando todo mundo no mesmo balaio!

    Mas o que eu estou dizendo é o que eu disse no post, então vou parar por aqui.

    Rics: Muito obrigada. Realmente, esse negócio de balaio só serve pra mercadoria em liquidação! 😛

    Cardoso: Eu também lamento. 🙁

    Orlando: Muito obrigada. A gente é que tem que se mexer, e dizer alto e claro que nem todo mundo se vende por duas mariolas, nem por todo o ouro do mundo.

    Lu: O problema é que muita gente age da mesma forma anti-ética e desavergonhada na rua. 🙁 Mas, com certeza, existe uma boa porcentagem que faz na net as merdas que não tem culhões de fazer na vida offline. Se esses tomassem vergonha na cara, as coisas já melhorariam muito!

    Malcomtux: Muito boa a metáfora do perito – perfeito.

    Então, como eu disse antes, nós é que temos que mostrar que não é assim que a banda toca. Ética é uma coisa que não é passível de ser comprada.

    Iara: Na verdade, a discussão ética, neste caso, extrapola o campo filosófico. Ela afeta o nascente mercado da publicidade nos blogs.

    Precisamos discutir essa questão, porque precisamos encontrar o equilíbrio e a credibilidade necessária para que o mercado possa crescer e se fortalecer, ao invés de desaparecer.

    Se todo o mundo pensasse como você, não haveria problema. Mas infelizmente não é assim.

    Norberto: O meu raciocínio vai por este caminho: temos que ensinar aos leitores que post pago não significa opinião comprada. Simplesmente se render à essa percepção errônea é matar a possibilidade de ganhar dinheiro com publicidade desse tipo. E não acho que isso seja justo, nem aconselhável.

    Fábio: Exato! 🙂

    Pedro: Discordo rotundamente de tudo o que você disse. Mas nem vou tentar lhe convencer de nada…

  12. (começando a ler todos os posts da Nospheratt)

    é impressionante como problemas antigos e que devem acontecer desde a época do jornal impresso na pedra (Flintstones) vira um tornado gigante na blogosfera!!!

    A impressão que eu tenho é que o Bluebus fica só olhando a internet para achar algo que ele considera “deslise” só para meter o pau, com a intensão de todo mundo ficar comentando sobre isso!

    Ai se eu estivesse com $$$ sobrando! mandava fazer a geladerinha Bluebus que eu fiz no infopod!!!
    https://www.infopod.com.br/photoshop/acabando-com-o-bafafa-da-geladeira-da-coca-cola-blogs-de-aluguel/

    bjs

  13. Angela

    O mais engraçado é que enquanto todo mundo discute sobre a ética tem um monte de blog ganhando muito dinheiro.
    Um post pago, na maioria das vezes, é em inglês, então é desnecessário dizer que é pago. Se fala de um site ou produto, tá na cara que é pago.
    Fora isso, os posts pagos normalmente não fazem propaganda direta de um produto. Falam de um assunto, vamos dizer uma loja de móveis, e colocam um link no meio do post. Não precisa nem dizer pras pessoas visitarem a loja e comprarem alguma coisa, nem precisa dizer que a loja é uma maravilha.
    Muitos blogueiros que dizem que não se vendem, que não fazem posts pagos por uma questão de ética, simplesmente não conseguiram ser aceitos pelos anunciantes ou não sabem inglês o suficiente pra produzir posts de 200 ou 300 palavras.
    E ainda tem essa mentalidade de que isso seria dinheiro fácil e por isso estaria errado. O problema é que de fácil não tem nada. Normalmente o blogueiro aceita umas 30 ofertas por mês e tem que escrever um ou dois posts originais entre um post pago e outro.

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén|Social Icons by Freepik