Blogando com Alma... Ainda.

7 Mitos Sobre Plágio

dragon

Ontem eu discorri extensamente sobre o que é plágio, a Lei de Direitos de autor e blogs. Conforme promeitdo, hoje vamos ver o quê se pode fazer para combater o plágio.

Em primeiro lugar, é necessário refutar alguns mitos sobre o plágio na Internet.

Mito 1: Plágio é homenagem; se alguém me plagiou, é porque gostou do meu trabalho; devo me sentir lisonjeado.

Verdade: Plágio é crime! O fato de que o plagiador goste do meu texto é irrelevante. Se alguém me plagiou, é porque acha que meu trabalho lhe será útil; seja para suprir sua falta de capacidade para gerar conteúdo, para atrair visitas ao seu site (e consequentemente aumentar sua renda ), ou para se fazer passar pelo autor de um texto, chamar a tenção demonstrando qualidades que não possui, e inflar o próprio ego com elogios que não lhe pertencem.

Mito 2: É bobagem se preocupar com o plágio; não há nada de errado com o plágio.

Verdade: Plágio é uma prática desonesta, é roubo. Os direitos autorais são considerados, perante a lei, bens móveis. É tão errado plagiar, quanto roubar um carro.

Além disso, qualquer webmaster/blogueiro que se preze, deveria se preocupar com o plágio. O conteúdo duplicado prejudica a indexação e o Page Rank de seu site. Quando os robôs dos motores de busca passarem pelo site do plagiador, e depois pelo seu, SEU BLOG pode ser penalizado na próxima indexação.

No blog No Topo das Buscas, está bem explicado o quê essa penalidade pode significar :

– Apenas a redução de pontos de uma página na contagem total de relevância, ou seja, a redução do seu ranking(posicionamento) nos resultados de busca.

– Algumas duplicaçoes de conteúdo podem significar que as páginas são filtradas no momento que os mecanismos de buscas mostram os resultados de busca, e não há garantia de qual versão será mostrada e qual não será.

– Alguns sites e páginas não serão indexados, ou o robô do mecanismo de busca irá parar por completo a indexação de todas as páginas do site, porque ele encontrou várias cópias de uma mesma página em endereços(URLs) diferentes.

Aliás, no mesmo artigo – Evitando conteúdo duplicado em seu site ou blog – o autor dá um exemplo que se aplica perfeitament ao plágio, embora o caso do exemplo seja voluntário:

5. Distribuição de Artigos Muitos pessoas criam artigos e os distribuem a outros sites, em troca de um link para o site original. Se você publicou um artigo legal e o tem espalhado por vários sites com links para o seu, é otimo, não? O risco é que alguns mecanismos de busca podem filtrar o artigo original e mostrar apenas 1 cópia distribuída desse artigo. Este tipo de conteúdo duplicado pode ser complicado, porque embora o Yahoo e MSN consigam determinar a origem do artigo original, e o coloque com mais relevância nos resultados de busca, outros mecanismos de busca como o Google, não o fazem, segundo experts no assunto, ou seja podem penalizar (filtrar, ou tirar dos resultados de busca) o site com o artigo original.

Deu para entender porquê você deve se preocupar com o plágio? Ele pode arruinar a indexação e o Page Rank que você trabalhou tanto para conseguir! Recomendo a leitura do artigo, para um melhor entendimento da questão do conteúdo duplicado e seus riscos. Leornardo Medina, o autor, inclusive menciona a violação de direitos de autor. Não é paranóia minha, viu?

Por último, você não acha nada demais em que outra pessoa receba rendimentos, comentários, elogios, visitas ou críticas que deveriam ser seus? Você realmente está disposto a permitir que um espertinho tire proveito (seja moral ou monetário) do seu trabalho? Não? Então, não permita que seu conteúdo seja plagiado – ao menos, nos casos que chegarem ao seu conhecimento.

Mito 3: Se alguem me plagiou, é porque meu trabalho é bom.

Verdade: De certa forma, isso é verdade; mas o conceito de “bom” é uma coisa muito subjetiva. É altamente provável que o plagiador tenha achado que seu texto é bom; mas essa não é a razão do plágio. O plagiador rouba o conteúdo porquê:

– O texto lhe será útil de alguma forma (Mito 1);
– Acha que tem direito de copiar e colar o que melhor lhe aprouver (Mito 4);
– Acredita que, devido à vastidão e o anonimato da Internet, não será descoberto.

Mas qual é o fator predominante que leva um plagiador a roubar deste blog, e não daquele? Além da questão do tópico do blog do plagiador (um plagiador que mantêm um blog de receitas não vai plagiar o MeioBit, por exemplo), também conta muito o “fator de plagiariabilidade” (sim, eu acabo de inventar essa plavra) do blog. Esse fator inclui diversas variantes, das quais falarei mais adiante.

Mas a verdade é, que os blogs que se encaixam na “categoria média” são as vítimas preferidas. Jonathan Bailey, o autor do blog Plagiarism Today explica, numa entrevista ao Boston Globe, data de Maio do ano passado:

“Blogueiros famosos e muito conhecidos (A-list) não vêem muito plágio de copy-and-paste, porque sua popularidade os isola. Blogueiros desconhecidos não são muito plagiados porque não foram descobertos por ninguém, e se são lidos, geralmente seu conteúdo é pessoal demais para ser usado em outro lugar.”

Então, quem são as maiores vítimas? Os blogueiros da lista B; aqueles que não são super conhecidos, nem totalmente desconhecidos.

“Nós somos suficientemente talentosos e temos suficiente base para ser conhecidos dentro de um círculo, mas desconhecidos o suficiente para não ser imediatamente reconhecido por seu visitante médio.”

É lógico. Quem tentaria assumir a autoria de um texto escrito pelo Tupi da Taba? Ou um escrito pelo Cardoso, quando ele está “cardoseando”? Nesses casos, o plagiador provavelmente seria imediatamente descoberto pelos próprios leitores. Nós, os blogueiros médios, não contamos com essa vantagem. E é disso que o FDP se aproveita.

Mito 4: O que está na Internet é livre para ser usado por qualquer um, de qualquer forma; o plágio/cópia é uma forma válida de disseminar informação, ou de suprir meu blog/site com conteúdo.

Verdade: A Internet é livre. O conteúdo, como eu já expliquei, é um bem móvel; como qualquer bem, é propriedade de alguém. E a lei dá o direito a esse alguém, de dispor de seus bens como melhor lhe der na telha. Você só pode usar conteúdo criado por outra pessoa, com permissão dessa pessoa (excetuando o “fair use”, claro está).

Achar que o que está na internet pode ser usado e abusado, pelo mero fato de estar lá, à vista, é como achar que os carros que estão na rua podem ser usados por qualquer um, para qualquer coisa.

A disseminação da informação não requer de ctrl-C e ctrl-V. Ninguém impede que você comente, cite, indique, ofereça links, relate os fatos ou explique as coisas com suas próprias palavras. Se você acha que o que eu escrevi é relevante para seus leitores, mande eles pra cá!

E se você não é capaz de suprir seu blog com conteúdo original, criado por você mesmo, então… NÃO TENHA UM BLOG, ORAS! Eu não sei pilotar avião; por isso não tenho um avião. Sim, é só por isso! 🙂

Mito 5: As pessoas plagiam porque não sabem que é errado, ou porquê não sabem qual é o procedimento correto.

Verdade: Essa é uma das desculpas mais esfarrapadas que já vi. Você quer que eu acredite que você NÃO SABE que é ERRADO MENTIR que é o autor de um texto, quando você sabe perfeitamente que o copiou de outra pessoa?

Você quer que eu acredite que você NÃO SABE que é ERRADO copiar um texto de um blog e republicá-lo sem creditar a fonte, quando na página de onde você o copiou diz claramente que “é permitido copiar o material, desde que se credite a fonte”?

Se você não sabe qual é o procedimento correto, PERGUNTE. Se os plagiadores roubassem conteúdo por ignorância, reconheceriam seu erro, quando confrontados – quando o legítimo autor lhes explica o procedimento correto. Coisa que não acontece.

Mito 6: Você não pode/não deve denunciar publicamente um plagiador, pois você vai prejudicar sua imagem (a dele).

Verdade: Sempre e quando sua acusação tenha fundamento – seja verdade, né – e você tenha PROVAS do plágio – screenshots, páginas guardadas, testemunhas – você tem não só o direito, mas talvez até mesmo o dever de expor o caso. Sites baseados em plágio devem ser retirados da Web. Expondo o plagiador, você acaba com a festa dele; é provável que inclusive ajude outras pessoas que tenham sido plagiadas por ele e não sabiam, e até mesmo evite que outros sejam plagiados.

É claro que ele pode simplesmente virar para o outro lado e criar outro blog de plágios; mas cabe a nós dificultar-lhes a tarefa de alimentar seus sites com conteúdo roubado. É muito mais fácil manter um site assim, arrebanhando leitores e visitas, do que ter que começar constantemente do zero. Um dia ele cansa.

Mito 7: Não adianta lutar contra o plágio; não há forma de vencer os plagiadores; é melhor se conformar e deixar pra lá.

Verdade: Imagine o que seria a Internet hoje se todos pensassem: “O Spam acontece o tempo todo, existem demasiados spammers, não adianta lutar contra isso”. Imaginou? Então?

Claro que é dificil. Mas o conformismo, o nosso derrotismo é o que os levará à vitória. Existem muitas formas de lutar contra o plágio. Esse devia ser o assunto deste post; mas a questão dos mitos se extendeu bastante.

Então, vou cortar aqui. Finalmente, eu juro, pelo amor dos plagiadores, no próximo post vou falar sobre as armas disponíveis na luta contra o plágio. Ainda hoje!

Nospheratt, pensando na vida

Nospheratt

Quando eu cheguei (2006 - primeira era jurássica da Efigênia), isso aqui tudo ainda era mato.

Previous

Plágio e Direitos de Autor nos Blogs – Legislação Aplicável

Next

Top 5 – Erros que se Cometem Com o Primeiro Blog

43 Comments

  1. Naty

    Oi, sou Naty do ‘Somos Neuróticas’ vi no mural e te digo que não sabia que o texto é seu, pode ver que nem fui eu quem o publicou!!!Mas de qlqr forma, qdo a minha amiga entrar na net eu falo com ela!!mas por ter gostado do texto e prá não deixar buraco, não gostaria de retirar o texto, mas vou colocar os devidos créditos!!!Sorry…qlqr coisa liga!!!=*

  2. Naty

    bom, fui procurar o post no brog e não encontrei, ela deve ter mesmo apagado…cheguei do trabalho agora e não sei o que rolou durante a tarde, se ela falou com vc e pediu desculpas ou simplesmente apagou… Mas enfim..pelo que vi, foi apagado!!!

  3. Naty

    ACHEI ACHEI e já coloquei o link!!!

  4. Naty

    bom, minha amiga preferiu apagar

  5. Naty

    mas plágio, pela lei, se aplica as obras registradas!!!mas enfim, ela ja apagou, acho eu!!!

  6. Nospheratt

    Sim, eu vi que ela apagou e me chamou de “Chiliquenta”. Não tem problema, eu não me importo; o importante é que o post tenha sido deletado. Agradeço sua presteza e sua educação. No entanto, devo esclarecer que o plágio se aplica à qualquer obra; não é necessário registrar nada para estar protegido pela lei de direito autorais. Se estiver interessada no assunto, leia este post:Plágio e Direitos de Autor nos Blogs – Legislação AplicávelUma vez mais, obrigada por tudo.

  7. Anonymous

    nospheratt você esta usando meu nome!Eu registrei ele!vou te processar!kkkkkkkkkkkk

  8. Nospheratt

    Uia, me fudi! Mmmm, se bem que acho que não existe plágio de nomes… Melhor vou verificar isso! 😛

  9. Nick Ellis

    Parabéns pelo texto![ ]s, Nick

  10. Nospheratt

    Obrigada! Volte sempre!:)

  11. Coloquei o termo ‘plágio’ na busca e vim parar aqui. Isso foi ótimo, porque esse é um dos melhores textos que já li sobre o assunto. Tenho travado uma batalha da web contra plagiadores e, acredite, ainda encontro imbecis com esse papo de que plágio é elogio ou homenagem.

    Ainda que com grande atraso, parabéns pelo excelente texto.

    Um abraço!

  12. Nospheratt

    André, me alegra ser útil, embora seja uma m*rda ter que lutar contra esses imbecis. E esse papo de “elogio” me dá vontade de trucidar alguém, viu? GRRRRR

  13. Nospheratt, estou lendo seu blog há uns dias. Caí aí de paraquedista porque procurei sobre “domínio próprio blogspot”, mas sua escrita e personalidade me prenderam e comecei a ler os outros posts sobre o blogger. Hoje encontro essa incrível série de textos sobre plágio de textos. Bem, o que mais posso querer? rsrs
    Você me foi muito útil, e a partir de hoje estará nos feeds.

    Parabéns pelo excelente trabalho, e prometo tentar comentar nas demais postagens que gostei.

    PS: Eu li o seu FAQyou, mas preciso perguntar algo: você sabe se direitos autorais não registrados em cartório valem também sobre obras gráficas, como wallapers, por exemplo? Ou para estas é preciso registrar mesmo?

  14. Nospheratt

    Paulo: Muito obrigada mesmo pela força, valeu! 🙂

    A lei de direitos autorais fala de “criações do espírito”, e estão listadas lá as obras audiovisuais, desenho, plástica, e tudo o que você possa imaginar. Para ter uma idéia mais clara, leia a lei.

    Então, eu diria que quem cria wallpapers, designs e tals está na mesma que o blogueiro – está protegido pela lei, sem necessidade de registro.

    O problema é a luta contra os plagiadores. O registro não é obrigatório, mas ajuda muito caso você venha a processar alguém, por exemplo.

    E não se registra em cartório, se registra na Biblioteca Nacional. 🙂

  15. Paz e bem!

    Mantenho o blog Discuta Política e gostaria de saber se em tua opinião é um blog plagiador.

    Não é um blog que prime por postagens originais, mas costumo indicar o site de origem, quase sempre posto apenas partes dos artigos selecionados (deixando claro que houve cortes) e remeto à URL completa para lerem na íntegra.

  16. Eugenio: Se você credita, não é plágio – plágio é assumir a autoria do trabalho de outra pessoa.

    No entanto, a cópia não autorizada também é delito; é uma violação de direitos autorais, chamada contrafação. Para não incorrer em contrafação, você pode copiar somente de sites que permitem a cópia, ou copiar somente pequenas porções de texto.

    Neste último caso, a quantidade de texto apropriada depende do tamanho do texto original. A cópia deve ser pequena em relação ao original, sempre. Copiar a metade do texto, por exemplo, está errado. Eu me limito a dois parágrafos no máximo.

    E sempre com créditos, claro.

  17. Nospheratt, já me preocupei muito com isso. No passado, quando comecei a “blogar”, limitava-me a reunir em meu blog o que via de interessante sem me preocupar em atribuir os créditos. Não via necessidade. Depois de ler bastantes coisas sobre o assunto, de conversar, ainda que rapidamente com pessoas como o Compulsivo, como o Márcio do “Clube do Download” e com outros menos expressivos nesse mundo de blogs que vemos por aí, vi que dar os créditos era bom até para mim, pois o autor via o que fazia com o texto e, se gostasse, linkava no blog dele também. Foi assim que consegui sair das dezenas de visitas diárias para entrar na casa dos três dígitos. É pouco? Pra quem não tem pretensão de viver disso, creio que não. Vou “ruminar” seus textos sobre plágio e aprender mais um pouco agora.

  18. Rogério: Fico feliz de que você tenha aprendido como se deve fazer as coisas. Como você bem disse, isso é bom inclusive pra você. Boa sorte! 🙂

  19. Juliana Ferreira

    Ando realmente a estudar o assunto dos blogs porque adoraria ter um que tratasse de Photoshop. Sou de artes, adoro fotografia, já fiz alguns trabalhos para amigas mas nada de especial pois estou mesmo agora começando o assunto e a entender um pouco do meu mais recente “vicio”. Então de repente, para felicidade minha, descobri o seu “manual”(?) de ‘Começando a Blogar’ e realmente é excelente. Então vim cá parar e ao ler isto não entendi uma coisa. Na minha situação, que o que pretendo é criar o meu blog com tutoriais (com níveis: iniciantes, novatos, mais experientes e com um pouco de ambição profissionais até) e fornecer acessórios utilizados pelo programa (texturas, brushers e outros). Mas como eu ainda estou a começar a aprender não consigo fazer tutoriais por minha própria autoria até porque eu o que sei é a partir de outros tutoriais. E o que acontece muitas vezes é que com tanta variedade de tutoriais e as vezes em outras línguas gostava de os reunir num blog para ajudar-me a mim e aos que estejam na mesma situação. Portanto minha duvida é: se eu postar o tutorial (os passos e fotos) mas não postando nada que não seja possível ‘copiar’ claro e logo no inicio do tópico referir o autor e a url do site do autor isso é plagio? e eu posso mudar de alguma forma, acrescentar algo ao post, pois as vezes tão confusos ou falta informação isso pode-se fazer?
    Os parabéns pelo site e desculpe ter descrito tanto a situação, alongando muito o texto e espero que me responda assim que possivel.

  20. Lucky Costa

    Nospheratt, resolvi unir minha paixão por escrever e por tecnologia e comecei a contruir um blog. Pesquisando na intenet, achei você e seu excelente trabalho. Baixei o e-book Be-a-blog e achei muito interessante, estou aprendendo muito com isso. Gostei muito desta informação sobre plágios, poque vai me ajudar a evitar erros desnecessários. É muito bom poder encontrar pessoas que procuram fazer o que é certo. Parabéns!

  21. CATARINA

    OI!
    Faço parte de um site na net de receitas culinárias e todos os dias postamos receitas nossas e receitas que encontramos na net.
    É um site onde muitas senhoras fazem parte e não sabem que precisam colocar os créditos das receitas e fotos.
    Este mes esta parecendo caça as bruxas, muita gente reclamando de receitas que foram copiadas e que não foram colocadas as fontes, créditos etc…
    Muita briga mesmo e ofensas de roubo, mas em nenhum momento as pessoas que postaram as receitas ou fotos colocaram ser delas a autoria das mesmas.
    Estou muito preocupada e algumas receitas que postei estou procurando as fontes para dar os devidos créditos, graças a Deus ainda não apareceu ninguém reclamando das minhas.
    Então, o que me levou a escrever esse e-mail é saber o que é legal e o que é ilegal.
    Acho que para as pessoas dizerem que são donas de alguma coisa do genero precisam ter essas receitas registradas em algum orgão que lhe dão os direitos autorais, como não entendo bem do assunto estou recorrendo a vc para que me ajudem a esclarecer tal problema.
    Sem mais para o momento ficarei no aguardo e desde já agradecendo a sua atenção.
    Catarina

  22. CATARINA

    Caipirinha a única receita que conheço registrada.

    O mais tradicional coquetel brasileiro, famoso no mundo inteiro. À base de cachaça e limão, nunca falta na praia e antes das feijoadas. Há quem o prepare com vodka e nesse caso passa a ser “caipirovska”
    A caipirinha nasceu no interior paulista no século 18. Naquela época, a cachaça, abundante nos vilarejos, era consumida pura por seus apreciadores, todos homens. Para não abandonar o trago quando estavam doentes, eles a teriam transformado em remédio acrescentando limão e alho – ingrediente logo desprezado. Muito tempo depois, na década de 1950, com a urbanização desses lugares, a bebida ganhou adeptos nas metrópoles e acabou ficando assim: cachaça, limão, açúcar e gelo, receita registrada como a versão clássica, com direito a decreto (nº 4.851), assinado em 2003, que tenta garantir a propriedade intelectual sobre as marcas Caipirinha e Cachaça na legislação internacional. Isso porque o sucesso do drinque atravessou fronteiras e, atualmente, figura no cardápio de coquetéis de restaurantes na Alemanha e nos Estados Unidos.
    Casamento perfeito
    Poucos drinques contêm ingredientes que se harmonizam tão bem quanto os da caipirinha. De sabor tropical, é associada ao churrasco e à feijoada. Não é à toa, pois atua como adstringente no paladar e abre o apetite. Também faz par perfeito com petiscos. Tornou-se tão popular porque circula sem cerimônia por botecos de esquina e restaurantes sofisticados. E seu prestígio não pára de crescer: já consta na lista oficial de drinques da renomada International Bartenders Association (IBA), fundada em 1951 na Inglaterra. Assim, sirva caipirinha sem medo de errar. É bem-vinda em qualquer ocasião!

  23. Muito boa a análise, boa a sua pesquisa.
    Mas… realmente é difícil combater ao plágio, realmente é difícil.

    Mas, quanto a indexação, se a pessoa mudar uma ou duas palavras, dessa forma não se torna plágio, o texto parece igual, mas não fica exatamente.

    Aí livra o site que fez de referência, e fica mais difícil saber onde está o plágio.

  24. Elleny

    Tem como impedir o copiar e colar no blogger?

  25. Pode ser uma coisa muito difícil o combate ao plágio, mas o melhor, na humilde opinião de quem nunca foi plagiado (rs), parece ser não tentar evitar, e sim descobrir quando tiver sido plagiar. Se alguém realmente quiser plagiar um artigo, não haverá meios de impedir. Mas denunciar depois que já foi efetuado o roubo, daí sim.

    Bem, felizmente eu nunca fui plagiado, e acho muito difícil que alguém fosse se interessar pelo meu counteúdo tanto a ponto de plagiá-lo… Acho que eu até, de acordo com o Mito 1, me sentiria lisonjeado……

    Abraço

  26. :)

    É impressionante a quantidade de detalhes que você tem sobre os sistemas de busca. Alguém poderia até discordar de algo, isso se o artigo não fosse tão completo.
    Leitura de textos como este nos fazem profundo conhecedor do assunto, isso é muito gratificante.
    Obrigado e um grande abraço.

  27. André

    Olá pessoal,

    recentemente na Universidade que estudo ocorreu um caso onde o assunto foi PLAGIO. Uma aluna acusou o professor de plágio, ao utilizar de slides que eram exatamente idênticos ao de um arquivo disponibilizado por outro professor de outra universidade. Segundo o professor acusado ele teve autorização do autor do arquivo original, e que segundo ele não se caracterizava no crime de plágio. entretando os slides utilizados pelo professor acusado além de ser uma cópia exatamente igual, não havia a citação do autor original, pelo contrário os slides todos eram apresentados como se fossem de autoria dele. Na ementa do curso lecionado por este professor também não foram mencionados o material literario a qual ele estaria utilizando muito menos autor.

    Quem está certo neste caso Aluna ou Professor?

  28. olá! gostei muito do texto sobre plagio e cópia! so nao consegui acertar no meu blog aquele negocio do rss footer, apesar de ter baixado aqui no micro! se tiver alguma dica de como usar e puder me passar agradeço… bom sucesso ai e passei seu link para umas pessoas que precisavam ouvir um pouco de comentarios construtivos sobre plagio! sucesso ai…

  29. Adorei o blosque.com e sempre estarei por aqui fazendo uma visitinha!

    Só uma dúvida!

    Ex: Caso eu pegue esse seu texto (ótimo por sinal), e coloco no meu blog com os devidos créditos, autor, site, tudo, só que não venho aqui lhe pedir autorização para tal ato!

    Isso é considerado plágio?

    Abraços e parabéns pelo otimo trabalho!

  30. Ops! eu de novo com + dúvida!

    1 – Caso eu copie uma imagem na web que contenha uma assinatura ou marca d’aqua, mesmo dessa forma devo informar o autor?

    2- Pego uma imagem na web e quero publicar no meu blog, porém essa imagem esta sem assinatura ou marca d’agua, posso colocar minha própria marca d’agua e publicá-la? ex: essa foto ai de cima do dragão!

    Obrigado mais uma vez e desculpe pelo comentário duplo!

  31. Uma pergunta…

    se eu entrar em um sit e encontrar um texto, copiar este texto sem pedir ao dono… e publicar este texto no meu blog…MAS colocando os devidos créditos ao autor…

    mesmo assim seria plágio/crime?

  32. Com certeza você tem razão em seu texto. Mas existe as publicações autorizadas.
    No meu blog, sobre arte e cultura em geral, gosto muito de colocar textos e trabalhos gráficos de outras pessoas. SEMPRE peço autorização para isso e até agora só tenho recebido respostas de confirmação. Uns até até agradecem por eu distribuir o conteúdo deles. Como é o caso mais recente de um empresário inglês que representa vários artistas de vanguarda. É óbvio que todos pedem ou lembram que eu mencione o site/blog deles, o que faria mesmo que não pedissem.
    Tudo é uma questão de bom senso e educação. O resto é saber se comunicar.
    Abraços a todos

  33. Vincent Law

    Gostaria que alguém me respondesse uma grande dúvida.
    Se eu pegar um texto de uma história que a pessoa fez (vamos dizer, uma descrição de um lugar) e colocar num livro, isso seria plágio e mesmo que essa pessoa não colocou em seus direitos autorais? E se modificar essa descrição um pouco, ainda seria plágio?

    A pessoa que fez essa descrição poderia processar essa pessoa de plágio mesmo que mudou o seu texto e mesmo que ela não o cadastrou?

    Espero resposta. Valeu!

  34. Rodrigo

    Oi Nospheratt,

    preciso de sua autorização para utilizar os 7 mitos que voce listou aqui. Por favor é para ensinar que não se deve plagiar.
    Pode me mandar um e-mail?

  35. Vivian

    Parabéns pelo artigo. Muito bom!

  36. Gostei do post vou copiar! rsrsrs
    MAs falando serio, se algum plagiador chegou a este post eu tenho algo a acrescentar, vergonhosamente confesso que já plagiei, não gostava de ficar horas escrevendo sobre um assunto que com certeza acharia na internet, eu era novo e tinha esta mentalidade que na internet tudo era permitido, mas também escrevia textos meus inclusive poemas, que são de uma forma geral um otimo exercicio de escrita, até que um dia recebi no meu e-mail um dos meus poemas assinado como autor desconhecido (menos mal).
    Alguns assuntos é dificil de publicar, porque você quer falar dele mas existe varios textos relacionados, minha dica é leia todos os textos que achar e crie o seu proprio, é bem mas recompensador inclusive financeiramente.

  37. Oi, gostaria de pedir a sua ajuda para esclarecer uma dúvida. Os seus artigos são excelentes e me ajudaram bastante. Entendi perfeitamente sobre não copiar conteúdos de outros autores e adoro escrever os meus artigos.
    A minha dúvida é sobre o link. Você apenas linkar um título é plágio?
    Recentemente eu criei uma página estática (Aba) no meu blog com o objetivo de direcionar as pessoas para artigos interessantes, pois tenho um público idoso que não sabe lidar muito bem com as pesquisas na net.
    O fato de que eu não copiei nada do conteúdo, apenas escrevi o título igual ao original, citando a fonte e deixando um link para o artigo original é considerado plágio?
    Se você puder visitar o endereço para entender melhor o que eu estou tentando dizer o endereço é:
    https://edgardshigenaga.blogspot.com/p/reportagens.html
    Eu não gostaria de fazer nada contra as leis. Se você me disser que isso é errado, eu retiro a página.
    Caso seja errado, haveria outra forma para que eu pudesse fazer isso dentro da lei?
    Agradeço desde já a sua atenção.

    • Edgard, link nunca constitui plágio. Todo mundo gosta de ser linkado em outros blogs, pois ao linkar um blog ou site você está recomendando ou convidando seus leitores a visitarem o blog linkado.

      Olhei sua página. Não só não é errado o que você está fazendo, como é muito bacana; você está dando links a sites que acha interessantes (o que é bom para quem recebeu os links), e dando um bom serviço aos seus leitores ao selecionar conteúdo que é do interesse deles – e ao mesmo tempo, fazendo com que seu blog seja mais útil ainda. 🙂

  38. oi,eu sempre escuto muitas pessoas falarem do plágio,já dei uma lida a respeito em alguns blogs,mas eu gostaria de saber se existe alguma maneira,tipo uma ferramenta que eu possa colocar no blog para evitar esse tipo de coisa?!

  39. Muito obrigado pela atenção e ajuda!
    Fico feliz de estar fazendo tudo certo!!!
    Bjs.

  40. Parabens pelo post, sempre visito o blosque.

  41. Olá!

    Parabéns por este post, esta muito bem explicado os mitos!
    Eu não conhecia este blog, passei a conhecer depois de uma pesquisa no Google. Eu sou dono da “Radio Hunter”, uma rádio que tem um destaque relevante na internet pela qualidade do meu trabalho e claro de minha equipe, sofremos bastante plágio, quanto em nosso site e também até nos textos das vinhetas exibidas no ar, então eu estava querendo saber mais sobre este assunto, o que pode ser feito quanto a isso.

    Este artigo esclareu muito minhas dúvidas sobre estes tais mitos, gostei muito do post, agora irei conhecer mais o blog, se o conteúdo geral do blog for de tanta qualidade quanto a este post, concerteza irei voltar aqui mais vezes!

    Forte abraço!

  42. Olá!
    O post traz várias informações úteis! Desconhecia a questão da confusão nos buscadores. Se aprecio um post que oferece a opção de partilhar [O título, as vezes parte da frase inicial e o link, tenho o hábito de fazer para remeter ao original e as vezes comento acima do autor]. Vou repensar a prática.
    Quando escrevo sobre temas ativistas adoro quando replicam e faço questão de autorizar.

    Sempre fui contra a prática mas continuarei disponibilizando conteúdos de minha autoria *relativa*, [considerando que não reinventamos a roda ao escrever um post, que, se pensarmos a fundo, é fruto da inteligência coletiva de vários outros que lemos.

    Tem mesmo pessoas *sabidamente* esclarecidas que replicam e o texto todo, como se o tivessem reescrito, mas postam o original. Com ou sem aspas :D, o que faz pouca diferença se postaram uma cópia na íntegra.

    Outro ponto que escreve é chamar a atenção do copista. Deveríamos, seus argumentos são válidos mas em geral preferimos não nos envolver diretamente. Seria melhor que os blogs tivessem um sinalizador para conteúdo inadequado, semelhante ao youtube. Acredito que as pessoas acionariam, não sendo identificadas para os *autores*, em geral, especialmente se contatos amigos.
    O que dizem? Ciberabs!

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén|Social Icons by Freepik